Salário mínimo para 2019 deve ultrapassar os R$ 1.000; entenda

(Pixabay)

O governo federal propôs nesta sexta-feira, 31, um salário mínimo de R$ 1.006 para o ano que vem. O valor está integrado à proposta do orçamento para 2019 e estima um crescimento de 2,5% no Produto interno Bruto, o PIB. A nova proposição para o mínimo é maior do que o sugerido em abril, de R$ 1.002, e maior do que os R$ 954 deste ano.

Caso seja aprovado, o salário mínimo passa a valer no primeiro mês do ano, mas só será pago a partir de fevereiro.

De acordo com o governo, cada R$ 1 de aumento no salário mínimo custa pelo menos mais R$ 300 milhões por ano aos cofres públicos. Isso acontece porque o salário serve como base para o pagamento de benefícios do Instituto Nacional de Seguro Social, o INSS. Assim, aposentadoria e auxílios podem sofrer aumentos também.

O valor é mais de três vezes menor do que o do salário mínimo ideal. Um levantamento realizado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) aponta que o valor necessário para garantir todos os direitos descritos na Constituição seria preciso receber R$ 3.674,77.

Entre as despesas há a alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência.

Quer saber como é definido o reajuste do salário mínimo? Nó explicamos aqui.