Salesforce vai cortar 10% dos empregos e fechar escritórios devido à desaceleração das vendas

Depois que gigantes americanas da tecnologia como Meta, Twitter e Amazon demitiram juntas quase 26 mil profissionais, a Salesforce anunciou que vai cortar cerca de 10% de sua força de trabalho e reduziria suas propriedades imobiliárias depois que a empresa de software empresarial contratou muitas pessoas durante o boom alimentado pela pandemia e agora está se ajustando a gastos mais cautelosos de seus clientes.

Pedro Doria: Inflação está na raiz da crise no mundo da tecnologia

Não está fácil: TiKTok corta em US$ 2 bi meta de receita e faz reestruturação para enfrentar crise das redes sociais

A empresa, que tem cerca de 80 mil funcionários, disse em um documento regulatório na quarta-feira que pretende concluir a reestruturação da força de trabalho até o fim do ano fiscal de 2024. As reduções custarão à Salesforce de US$ 1,4 bilhão a US$ 2,1 bilhões, informou a empresa. Desse total, US$ 1 bilhão virá no quarto trimestre fiscal.

Muitas empresas de tecnologia estão sofrendo com o surto de crescimento do Covid-19, com um aumento na demanda por eletrônicos e aplicativos em nuvem, como software de colaboração, à medida que as pessoas passaram a trabalhar ou estudar em casa. Mas o ritmo desse crescimento provou ser impossível de manter.

Em todo o setor, as vendas de smartphones e PCs estão diminuindo em todo o mundo. A Salesforce e empresas como a Zoom Video Communications e a ServiceNow viram clientes revendo fortemente os gastos com software à medida que a economia se retrai.

“O ambiente continua desafiador e nossos clientes estão adotando uma abordagem mais ponderada em suas decisões de compra”, disse o CEO Marc Benioff em carta aos funcionários nesta quarta-feira. “Como nossa receita acelerou durante a pandemia, contratamos muitas pessoas levando a essa crise econômica que estamos enfrentando e assumo a responsabilidade por isso.”

Com aval de Lula: Rui Costa desautoriza Lupi e nega nova reforma da Previdência

A Salesforce, maior empregadora do setor privado em sua cidade natal, São Francisco, quase triplicou sua força de trabalho nos últimos quatro anos, em grande parte por meio de dezenas de aquisições, incluindo a compra da Slack, em 2021, por US$ 27,7 bilhões. De janeiro de 2020 até o fim de outubro do ano passado, o quadro de funcionários cresceu mais de 30.000.

Benioff disse na carta que muitos dos funcionários afetados serão notificados nas “próximas horas” e receberão no mínimo cerca de cinco meses de pagamento, seguro saúde, recursos de carreira e outros benefícios. Aqueles fora dos EUA receberão um apoio semelhante alinhado com as leis trabalhistas locais, disse a carta.

A retração da Salesforce provavelmente reflete uma desaceleração em todo o setor nos gastos corporativos com TI, em vez de a empresa perder participação de mercado para os rivais, escreveu Anurag Rana, analista da Bloomberg Intelligence.

Mudanças: Governo vai acabar com saque-aniversário do FGTS, afirma ministro Luiz Marinho

“A Salesforce se beneficiou do aumento da demanda durante a pandemia e, como resultado, contratou agressivamente. Esses cortes podem ajudar a administração a atingir suas metas de margem operacional ajustadas” de cerca de 175 pontos-base de melhoria anualmente pelo menos nos próximos três anos, escreveu Rana.

A gigante do software está sob pressão de investidores, incluindo o ativista Starboard Value, para melhorar as margens de lucro. Enquanto isso, projetou o crescimento de receita mais lento para o trimestre atual desde que abriu o capital em 2004 e viu os principais executivos Co-CEO Bret Taylor e o CEO da Slack, Stewart Butterfield, anunciarem suas saídas.

As ações subiram cerca de 4,6% nas negociações de pré-mercado em Nova York. As ações caíram cerca de 47% nos 12 meses até terça-feira.