Salgado x Brant: Vasco vota o seu novo presidente em meio a imbróglio judicial; entenda o processo

Marcello Neves
·3 minuto de leitura
Bruno Marinho
Bruno Marinho

O Vasco tem dois importantes compromissos — dentro e fora de campo. Enquanto os comandados do técnico Ricardo Sá Pinto têm duelo marcado contra o Sport, às 16h30 (de Brasília), na Ilha do Retiro, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro, os candidatos Jorge Salgado e Julio Brant disputam a presidência do cruz-maltino. Mas o vencedor dificilmente assumirá o cargo imediatamente porque o pleito deve — como de costume — seguir na Justiça.

Os últimos dias foram de constante turbulência nos bastidores do clube. Pelo estatuto, a eleição precisa ocorrer até a primeira quinzena de novembro. O pleito foi marcado para o último dia 7, mas o movimento liderado por Faues Mussa, presidente da Assembleia Geral do Vasco, tentou fazê-lo de maneira virtual devido à pandemia da Covid-19.

A proposta não foi aceita por todos os candidatos com alegação de insegurança. A empresa escolhida por Mussa, Eleja Online, foi alvo de críticas por suposto conflito de interesses. Isso fez com que o atual presidente Alexandre Campello, por exemplo, retirasse a candidatura para a votação de hoje.

Porém, em decisão de véspera, a Justiça determinou que a eleição acontecesse no último sábado, de forma presencial, até uma decisão de Humberto Martins suspender a votação. Mesmo com a decisão do STJ, a mesa diretora da Assembleia Geral decidiu prosseguir o pleito. As urnas, em um primeiro momento, foram lacradas. Porém, a mesa não achou lugar para deixá-las e resolveu fazer a contagem.

O candidato Luiz Roberto Leven Siano foi o mais votado, mas não foi homologado porque, como foi suspensa, a eleição deste sábado é a que vale oficialmente. Paralelamente, Leven retirou a candidatura caso a decisão não fosse revista. Sérgio Frias, o último colocado no pleito de sábado, também retirou a candidatura de sua chapa.

Dois candidatos

Na última quinta-feira, Leven já havia entrado com recurso no STJ para tentar derrubar a suspensão da eleição do Vasco. Nele, a defesa do candidato solicitou que Humberto Martins, presidente do STJ, reconsiderasse sua decisão. Leven também chegou a entrar com um recurso no Supremo Tribunal Federal (STF) para impedir a votação na sexta-feira, mas teve o pedido negado pela ministra Cármen Lúcia.

Com isso, os únicos candidatos que seguem são Julio Brant, da Sempre Vasco, e Jorge Salgado, da Mais Vasco. A eleição acontece até as 22h. Os torcedores poderão votar de forma on-line ou comparecer à sede do Calabouço (R. Jardel Jércolis, S/N - Centro) e utilizar totens com acesso à internet para a votação.

Equipe tem desfalques

Dentro de campo, o técnico português Ricardo Sá Pinto tem uma série de problemas para a partida contra o Sport. Com a confirmação das baixas de Leandro Castan e Miranda, que testaram positivo para Covid-19 — Carlinhos e Ribamar serão desfalques pelo mesmo motivo —, uma nova defesa terá de ser montada.

Os zagueiros à disposição de são: Ricardo Graça, Werley, Marcelo Alves, Ulisses e Jadson, reforço apresentado na quinta-feira.

Desde que se recuperou de lesão na coxa direita, Ricardo Graça é titular com Sá Pinto. Assim, é nome certo para o jogo. A tendência é que Jadson e Werley completem o setor. No ataque, a esperança é que Germán Cano, enfim, desencante. Ele não balança as redes há dois meses.