Salles diz que governo ainda não sabe tamanho, custo e data de início para Força Nacional Ambiental

Leandro Prazeres
O ministro Ricardo Salles não deu detalhes do funcionamento da Força Nacional Ambiental

BRASÍLIA - O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que a Força Nacional Ambiental, cuja criação foi anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ainda não tem data para início, estimativa dos custos ou mesmo do efetivo da tropa. Segundo o ministro, o funcionamento da tropa ainda está sendo “desenhado”.

A criação da Força Nacional Ambiental foi anunciada por Bolsonaro nesta terça-feira. Segundo Salles, a tropa funcionaria nos moldes da Força Nacional de Segurança, mas voltada a atuar contra crimes ambientais em todo o país e, mais especificamente, na Amazônia.

A Força Nacional de Segurança funciona com o efetivo cedido pelas polícias militares de diversos estados. O governo federal, no entanto, paga os deslocamentos e as diárias relativas aos dias em que os militares ficam à disposição da Força.

Salles disse que, “a ideia” é que a Força Nacional Ambiental seja composta por policiais militares e servidores de órgãos de proteção ambiental estaduais.

Indagado sobre quando a tropa estaria à disposição do governo federal, Salles disse esperar que isso ocorra “no prazo mais curto possível”, mas admitiu que ainda não há uma data estipulada para isso.

- [Vai entrar em funcionamento] tão logo esteja desenhado o modelo (de funcionamento da força). Não temos um prazo definido, mas será no prazo mais curto possível. – afirmou Salles.

Questionado sobre os custos dessa tropa, Salles disse que o governo tem estimativas iniciais sobre o quanto ela custaria, mas que os dados ainda são incipientes e deverão ser divulgados no futuro.

Apesar de não divulgar os números sobre os custos, Salles afirmou que o governo terá dinheiro para bancar a criação e funcionamento da tropa.

- Com relação ao orçamento, já há uma previsão do impacto sendo estudada, mas não há um número ainda. Mas ele (custo) será suportado pelo remanejamento de verbas de acordo com a previsão que foi reestabelecida pelo Ministério da Economia. – afirmou Salles.

A criação da Força Nacional Ambiental acontece após o governo ter sido fortemente criticado dentro e fora do país por conta da sua política ambiental.

De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a estimativa é que o desmatamento em áreas com alertas de desmatamento na Amazônia Legal cresceu 85% em 2019 na comparação com 2018.

A estimativa é que a área com alerta de desmatamento tenha chegado a 9,1 mil km² em 2019. No ano passado, o total foi de 4,9 mil km².

Na semana passada, a organização não-governamental Human Rigths Watch divulgou um relatório no qual afirma que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) enfraquece agências ambientais e reduz a fiscalização na Amazônia.