Salles diz ter sido surpreendido por operação da PF, que classificou como desnecessária e exagerada

·2 minuto de leitura
**ARQUIVO* BRASILIA, DF,  03.06.2020 - O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, durante entrevista à Folha, em seu gabinete, em Brasília (DF). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
**ARQUIVO* BRASILIA, DF, 03.06.2020 - O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, durante entrevista à Folha, em seu gabinete, em Brasília (DF). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que a operação da Polícia Federal que tem ele como um dos alvos o surpreendeu e a classificou como exagerada e desnecessária.

"Vou fazer aqui uma manifestação de surpresa com essa operação, que eu entendo exagerada, desnecessária, até poque todos, não só o ministro como todos os demais que foram citados e incluídos nessa investigação, estiveram sempre à disposição para esclarecer quaisquer questões", disse.

"O Ministério do Meio Ambiente, desde o início desta gestão, atua sempre com bom senso, respeito às leis, respeito ao devido processo legal."

Ele se pronunciou sobre o assunto após participar da abertura de um evento sobre desenvolvimento sustentável da indústria em Brasília.

Salles disse que o inquérito, do pouco que sabe dele, porque não teve acesso ainda, foi instruído de tal forma que levou o ministro do STF Alexandre de Moraes a erro.

"Induzindo justamente a dar impressão de que teria havido possivelmente uma ação concatenada de agentes do Ibama e do Ministério do Meio Ambiente para favorecer ou para fazer destravamento indevido do que quer que seja. Essas ações jamais, repito, jamais aconteceram."

O ministro falou que a pasta sob seu comando e o Ibama sempre agiram de acordo com as regras, com o bom senso e com equilíbrio. "Isso ficará demonstrado nos autos do inquérito conforme ele forem instruídos."

Ele disse que esteve no ministério mais cedo, quando se encontrou e conversou com um dos delegados da PF que participaram da ação.

"Essas medidas são desnecessárias [apreensão de celular e quebra de sigilos bancário e fiscal], na medida em que o ministério e todos os funcionários poderiam ter sido chamados pela PF."

O ministro disse também que explicou ao presidente Jair Bolsonaro do que se trata a investigação. "Expliquei que, na minha opinião, não há substância em nenhuma das acusações. Embora eu não conheça os autos, eu já sei de que assunto se trata. E me parece que esse é um assunto que pode ser esclarecido com muito rapidez."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos