Salles nomeou agente da Abin para interferir na fiscalização do Ibama, diz PF

·2 minuto de leitura
Documento da PF diz que Salles foi responsável pela nomeação do agente  (AP Photo/Arisson Marinho)
Documento da PF diz que Salles foi responsável pela nomeação do agente (AP Photo/Arisson Marinho)
  • PF apontou que um agente da Abin vinha interferindo na área de inteligência e fiscalização do Ibama

  • Segundo a polícia, esse agente foi nomeado pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles

  • Salles é alvo de uma operação que investiga exportação ilegal de madeira

A Polícia Federal apontou a atuação de um agente da Agência Brasileira de Informação (Abin) para interferir na área de inteligência de fiscalização do Ibama. A constatação foi feita no pedido de autorização para medidas de busca e apreensão contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

A representação da PF levada ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que autorizou as medidas contra Salles, afirma que o agente da Abin André Heleno Azevedo Silveira teria agido para "obstaculizar eventual investigação da Polícia Federal".

Leia também

De acordo com os relatos, Silveira foi nomeado por Salles para a função de coordenador de Inteligência de Fiscalização em 20 de agosto de 2020 e agiu na remoção do fiscal ambiental Carlos Egberto Rodrigues Júnior, que estaria em "contato direto com a Polícia Federal".

A PF diz que depoimentos de servidores do Ibama apontam que Júnior foi removido pelo agente da Abin para a área de licenciamento, sem prévia comunicação, já que, com a mudança, "perderia as prerrogativas de fiscal ambiental federal, dentre elas as credenciais de acesso aos sistemas informatizados".

Ministro do governo Bolsonaro é alvo de investigação da polícia (AP Photo/Eraldo Peres)
Ministro do governo Bolsonaro é alvo de investigação da polícia (AP Photo/Eraldo Peres)

Silveira teria atuado em conjunto com o Coordenador de Operações de Fiscalização do Ibama, Leslie Jardim Tavares, e com o Diretor de Proteção Ambiental do órgão, Olímpio Ferreira Magalhães.

Todos acabaram afastados de seus cargos pela decisão de Alexandre de Moraes. Além disso, foram alvo de mandatos de busca e apreensão e terão sigilos bancários e fiscais quebrados.

Entenda a investigação

Ricardo Salles é alvo de uma operação nesta quarta-feira que investiga exportação ilegal de madeira para Estados Unidos e Europa. Eduardo Bim, presidente do Ibama, também é alvo da ação. As informações são do Portal G1.

A operação conta com 160 policiais federais que atuam no Distrito Federal, São Paulo e Pará. Ao todo, são 35 mandados de busca e apreensão. O ministro do Meio Ambiente teve, ainda conforme apuração do G1, seu sigilo fiscal e bancário quebrado. Salles ainda não se pronunciou sobre a operação.

*Com informações da Agência O Globo

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos