Salles usa vídeo editado para criticar Greenpeace e discute com políticos

MATHEUS MOREIRA
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 12.10.2019 - O ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) durante o segundo dia da Cpac, conferência conservadora que ocorre em São Paulo. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Nos últimos dias, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, discutiu com figuras públicas e ONGs ambientais sobre as ações do governo federal frente à crise das manchas de óleo no Nordeste. 

Nesta segunda (21), o ministro ironizou um vídeo do Greenpeace em que um porta-voz da ONG responde à pergunta "Por que o Greenpeace não está nos locais atingidos ajudando na limpeza?". 

"O Greenpeace 'explicou' porque não pode ajudar a limpar as praias do Nordeste... ahh tá...(sic)", escreveu Salles. 

O vídeo utilizado pelo ministro para criticar a suposta ausência de voluntários da ONG em grupos de limpeza de praias do Nordeste foi editado e parte foi retirada. O vídeo completo tem cerca de três minutos, dos quais mais da metade não aparece na montagem compartilhada pelo ministro. 

Na versão original, publicada na sexta-feira (18), o porta-voz do Greenpeace explica que há voluntários trabalhando junto com instituições governamentais para limpar as praias afetadas. Além disso, a ONG também cita voluntários no Maranhão e Ceará que estariam colhendo depoimentos de moradores e registrando em foto e vídeo os locais afetados. 

A ONG respondeu à publicação: "Durante o final de semana um dos nossos vídeos foi cortado e editado para tirar de contexto uma fala do nosso porta-voz sobre as manchas de óleo. O corte foi publicado pelo ministro e respondemos mostrando a realidade. No lugar de agir de forma concreta, Ricardo Salles prefere culpar ONGs como o Greenpeace. O ministro mente e espalha falácias sobre a atuação de ONGs, como vimos nas queimadas na Amazônia, como forma de desviar a atenção da sua própria inação e incompetência."

A deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP) também escreveu ao ministro no Twitter. Ela disse que Salles não tem cumprido suas obrigações e estaria tentando "botar a culpa nos outros". Salles respondeu à deputada: "Vc é que não tem vergonha. Mas deveria ter, e muita, pois o petróleo que está atingindo o Nordeste e o Brasil, é venezuelano, cujo governo ditatorial comunista vocês apoiam (sic)."

No sábado (19), o ministro já havia discutido com o governador da Bahia, Rui Costa (PT), após o petista cobrar que o governo federal se manifestasse sobre ações para a contenção do óleo que atinge as praias do Nordeste. 

"Já foram removidos mais de 155 toneladas deste material, entretanto precisamos de um posicionamento e de resoluções do Governo Federal, através da Marinha e do Ibama, que são os responsáveis pelo cuidado com o oceano, mas continuam em silêncio", escreveu Costa.

Salles respondeu ao governador dizendo ter ido pessoalmente à Bahia e visto fuzileiros navais, agentes do Ibama e equipes municipais trabalhando na limpeza das praias, mas afirma não ter encontrado pessoas ligadas ao governo estadual. 

Costa rebateu e disse que Salles não estaria trabalhando, mas apenas tirando fotos. "De helicóptero realmente não tinha como ver. Fazer foto e dizer que trabalhou é muito fácil. Deixe de fazer política e trabalhe."

O governador ainda cobrou o ministro sobre as investigações acerca da responsabilidade pelo surgimento do óleo. 

Na sexta-feira (18), o MPF (Ministério Público Federal) entrou com uma ação contra a União por omissão no desastre das manchas de óleo no Nordeste. A Procuradoria pedia que, em 24 horas, fosse colocado em ação o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Água. 

Segundo o MPF, trata-se do maior desastre ambiental da história no litoral brasileiro em termos de extensão.

Para a Procuradoria, a União está sendo omissa por protelar medidas protetivas e não atuar de forma articulada na região atingida pelos vazamentos. "Tudo que se apurou é que a União não está adotando as medidas adequadas em relação a esse desastre ambiental que já chegou a 2.100 quilômetros dos nove estados da região", diz a ação.

A ação pedia multa diária de R$ 1 milhão caso fosse descumprida a implementação do plano. 

No sábado (19), a Folha de S.Paulo revelou que o governo Bolsonaro extinguiu, em abril, dois comitês que integravam o plano de ação de incidentes com óleo.

Nesta segunda-feira, o número de locais afetados pelo óleo chegou a 200.