Salvador reencontra Lavagem do Bonfim após dois anos sem celebração

SALVADOR, BA (FOLHAPRESS) - Oxalá e Senhor do Bonfim voltaram a protagonizar uma das principais celebrações do calendário de festas populares de Salvador. Entre baianas adornadas de branco e prata, jarros com flores e água de cheiro, o perfume era alfazema e de reencontro.

Depois de ter sido suspensa nos dois últimos anos por medidas restritivas de combate à Covid-19, a Lavagem do Bonfim voltou a tomar as ruas da capital baiana nesta quinta-feira (12).

A festa, de caráter religioso, é marcada pelo sincretismo. Reúne, lado a lado, o culto ao Senhor do Bonfim pelos católicos e a celebração de Oxalá pelos adeptos do candomblé.

Centenas de milhares de pessoas participaram do cortejo entre a Basílica da Conceição da Praia e a Basílica Santuário Senhor do Bonfim, percorrendo um trajeto de cerca de sete quilômetros.

A festa começou às 8h com a celebração de um ato ecumênico no adro da Basílica da Conceição da Praia. O padre Everaldo Pires da Cruz, que conduziu a celebração, destacou a necessidade de união e convivência pacífica entre as pessoas. Também destacou a criação do Dia das Tradições das Raízes Africanas e Candomblé, sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A cerimônia de abertura foi encerrada com o Hino ao Senhor do Bonfim, que este ano completa cem anos. A música foi composta em 1923 para comemoração do primeiro centenário da Independência da Bahia.

Uma queima de fogos marcou o início do cortejo e imagem do Senhor do Bonfim seguiu pelas ruas da Cidade Baixa com a participação de 46 grupos culturais.

Fiéis católicos, filhas e filhas de santo se misturam em meio a minitrios, grupos de samba de roda, de percussão e de capoeira, além dos tradicionais grupos de mascarados que costumam desfilar no Carnaval.

Bandas de sopro que tocavam sambas e clássicos do axé, dando um clima carnavalesco à festa religiosa. Desde 1998, o desfile de trios elétricos foi proibido na Lavagem.

Participaram do desfile o Rixô Elétrico, o Orixalá, do cantor Gerônimo Santana, o afoxé Filhos de Gandhy, além de outros grupos culturais de Salvador e do Recôncavo.

A festa também foi marcada por manifestações políticas de grupos culturais, sindicatos e movimentos sociais, que levaram faixas com a mensagem "sem anistia", cobrando punição dos envolvidos nos atos antidemocráticos que resultaram da depredação do Congresso Nacional, Palácio do Planalto e Supremo Tribunal Federal em Brasília.

A pandemia também foi lembrada pelos fiéis e parte deles optou por usar máscaras de proteção em meio à multidão. Na subida da Colina Sagrada, uma adepta do candomblé gritou: "Que Pai Oxálá nos livre de uma vez dessa doença".

O culto ao Senhor do Bonfim na Bahia começou há 278 anos, quando a imagem peregrina veio de Setúbal, em Portugal, para cumprir uma promessa do capitão de mar e guerra Theodósio Rodrigues de Faria.

A tradição do cortejo começou há 250 anos, em 1773. Foi iniciada por romeiros e escravos que, a mando dos senhores integrantes da Irmandade do Senhor do Bonfim, limpavam e enfeitavam a igreja para a missa de domingo. O cortejo acontece sempre na segunda quinta-feira após o Dia de Reis.

A imagem do Senhor do Bonfim foi recebida na Colina Sagrada com palmas, cânticos e fogos de artifício. As baianas chegaram à Colina Sagrada por volta das 12h30 sob aplausos e lavaram o adro da Basílica com folhas e água de cheiro, celebrando Oxalá e o Senhor do Bonfim.

O governador da Bahia, Jerônimo Rodrigues (PT) e o prefeito de Salvador, Bruno Reis (União Brasil), receberam das baianas um banho de água de cheiro. Os dois faziam a estreia na festa em seus atuais cargos e percorreram todo o cortejo, interagindo com apoiadores.

Do lado de fora da Basílica, fiéis cobravam o acesso ao adro e faziam fila para amarrar fitinhas do Senhor do Bonfim no gradil que cerca o templo religioso, fazer pedidos e agradecer.

Na mesma Colina Sagrada, pessoas faziam fila para tomar banhos de folhas e de pipoca. Com as bênçãos de Oxalá e Senhor do Bonfim, abriram os caminhos para o ano que se inicia.