'Salvou minha vida', diz jovem com depressão autorizado a plantar maconha em casa

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Hoje, jovem utiliza a Cannabis inalada e o óleo medicinal da Associação Brasileira de Apoio Cannabis Esperança (Foto: Agência Brasil)
Hoje, jovem utiliza a Cannabis inalada e o óleo medicinal da Associação Brasileira de Apoio Cannabis Esperança (Foto: Agência Brasil)

Um jovem estudante de 21 anos, morador de Brasília, ganhou o direito de cultivar maconha em casa para tratar ansiedade e depressão. A decisão, expedida pela 15ª Vara Federal do Distrito Federal, considerou que o “conceito sobre saúde deve também abranger o completo bem-estar físico, mental e social do homem”.

Com a decisão, o estudante ganhou um habeas corpus preventivo. Ou seja, mecanismo que resguarda o direito da pessoa de fazer, dentro da lei, o que vem a ser considerado ilícito pelo Código Penal: o plantio e uso da Cannabis.

Segundo o jornal Correio Brasiliense, o jovem passou a fazer acompanhamento com uma psiquiatra, há cerca de dois anos, que o aconselhou a buscar um médico que pudesse receitar a Cannabis como tratamento para os transtornos.

À época, além dos remédios psiquiátricos, ele usava a maconha e dizia apresentar melhoras, principalmente no estômago. O jovem apresentava lesões no órgão devido o uso prolongado de medicações fortes para depressão.

Leia também

“A maconha veio para mim como algo salvador. Me ajudou a sair dessas crises todas, desse quadro depressivo grave e a questão da ansiedade”, afirmou ele em entrevista ao jornal.

Ele disse que a substância ainda o ajudou a se “sentir bem de forma geral e de estar apto a fazer as coisas do dia a dia, como ir à aula da faculdade”.

De acordo com o Correio Brasiliense, hoje, o jovem utiliza a Cannabis inalada e o óleo medicinal da Associação Brasileira de Apoio Cannabis Esperança (Abrace Esperança), que também conquistou o direito de cultivar a Cannabis medicinal na Paraíba e que distribui para associados em todo o Brasil por um preço mais acessível.