Sam Bankman-Fried recorrerá em caso de fraude FTX

Por Jonathan Stempel

NOVA YORK (Reuters) - Sam Bankman-Fried deve entrar com um recurso na próxima semana contra acusações criminais de que ele fraudou investidores e saqueou bilhões de dólares em fundos de clientes em sua falida corretora de criptoativos FTX.

Espera-se que o executivo de 30 anos seja indiciado em 3 de janeiro, perante o juiz distrital dos EUA Lewis Kaplan no tribunal federal de Manhattan, mostraram os registros do tribunal nesta quarta-feira.

Kaplan foi designado para o caso na terça-feira, após a juíza original se recusar, porque o escritório de advocacia de seu marido havia assessorado a FTX antes de seu colapso.

Os promotores acusaram Bankman-Fried de se envolver em uma "fraude de proporções épicas", usando depósitos de clientes para apoiar sua empresa de fundos de hedge Alameda Research, comprar imóveis e fazer contribuições políticas.

Bankman-Fried é alvo de duas acusações de fraude eletrônica e seis acusações de conspiração, incluindo lavagem de dinheiro e de cometer violações de financiamento de campanha eleitoral. Se condenado, ele pode passar décadas na prisão.

Antes de sua prisão em 12 de dezembro, Bankman-Fried reconheceu falhas de gerenciamento de risco na FTX, mas disse que não acredita ser responsável criminalmente.

Dois de seus associados, a ex-presidente da Alameda, Caroline Ellison, e o ex-diretor de tecnologia da FTX, Gary Wang, se declararam culpados por seus papéis no colapso da FTX e concordaram em cooperar com os promotores.

Um advogado de Bankman-Fried não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

Bankman-Fried foi libertado em 22 de dezembro sob fiança de 250 milhões de dólares e obrigado a ficar com seus pais em Palo Alto, Califórnia, onde lecionam na Stanford Law School. Ele está sujeito a monitoramento eletrônico.

A FTX entrou com pedido de proteção contra falência em 11 de novembro. Seu novo presidente-executivo, John Ray, disse ao Congresso que a corretora perdeu 8 bilhões de dólares em dinheiro de clientes enquanto era administrada por "indivíduos grosseiramente inexperientes e não sofisticados".