Sanções ao Irã se aplicam a novos contratos imediatamente, anuncia EUA

(Arquivo) Foto tirada em 9 de abril de 2018 mostra o presidente Donald Trump cumprimentando o conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, em Washington DC

A reinstauração das sanções dos Estados Unidos ao Irã por seu programa nuclear será efetivada "imediatamente" para novos contratos, disse nesta terça-feira (8) o assessor de Segurança Nacional americano, John Bolton, acrescentando que as companhias estrangeiras terão meses para "sair" do Irã.

Especificamente, "a decisão assinada hoje pelo presidente restabelece imediatamente as sanções que existiam no momento do acordo", apontou à imprensa depois do anúncio de Donald Trump. "Não estão permitidos novos contratos", afirmou.

Além do mais, o Departamento do Tesouro dos EUA anunciou que as sanções para contratos anteriores do Irã vão entrar em vigor após um período de transição de 90 a 180 dias, pouco depois de o presidente Donald Trump anunciar a retirada de seu país do acordo nuclear, assinado entre Teerã e as principais potências em 2015.

Bolton acrescentou que Washington está pronta para discutir uma solução muito mais ampla em torno deste tema sensível, mas também indicou ser possível a adoção de sanções adicionais contra Teerã.

"É absolutamente possível que se possam aplicar sanções adicionais se tivermos nova informação", disse John Bolton, um "falcão" em política externa.

"Queremos pôr a maior pressão econômica possível sobre o Irã e negar-lhes o acesso à receita que teriam obtido" sem uma retirada americana, acrescentou o assessor de Trump.

Para os contratos já vigentes, sobretudo para empresas estrangeiras - frequentemente europeias - que investiram no Irã, o período de transição de três a seis meses "é uma maneira de dar às empresas a oportunidade de sair" do país do Golfo, acrescentou.

"Por exemplo, no caso das compras de petróleo iraniano, se se tratar de um contrato com dispositivos de longo prazo", então "têm seis meses, três meses ou outro período intermediário para se retirar antes da entrada" em vigor das sanções, detalhou Bolton.

Quando perguntado se havia uma data-limite para continuar as negociações diplomáticas sobre o acordo de 2015, ele respondeu secamente: "saímos do acordo".

Por outro lado, assegurou que Donald Trump "está pronto para considerar discussões sobre uma solução muito mais ampla" contra "a atitude prejudicial do Irã". "Já tivemos discussões com nossos aliados e continuaremos amanhã pela manhã", expressou.