Sanders vence primária democrata em New Hampshire segundo imprensa

Por Michael Mathes con Alina Dieste en Washington
O pré-candidato presidencial Bernie Sanders em um comício em Keene, New Hampshire

O esquerdista Bernie Sanders venceu primária democrata em New Hampshire na terça-feira, superando adversários moderados Pete Buttigieg e Amy Klobuchar, em uma péssima noite para o ex-vice-presidente Joe Biden, por meses favorito, que ficou apenas em quinto na corrida para a escolha do partido do adversário do republicano Donald Trump para as eleições presidenciais de novembro.

De acordo com a imprensa americana, Sanders, o senador independente de Vermont, recebeu 26,% dos votos, enquanto Pete Buttigieg, o jovem ex-prefeito de South Bend, Indiana, obteve 24,3%, e Amy Klobuchar, senadora centrista de Minnesota, ganhou 19,9%, de acordo com as emissoras de TV NBC e ABC.

A senadora progressista de Massachusetts Elizabeth Warren e Biden e vieram em seguida, segundo a imprensa local.

Os candidatos democratas da Casa Branca procuram afinar a disputa após um início caótico do processo de nomeação do partido na semana passada no "caucus" (assembleias de cidadãos) de Iowa, onde Buttigieg e Sanders disputaram voto a voto a cabeça após uma vergonhosa apuração que demorou vários dias .

No Twitter, Trump ironizou a disputa democrata, com comentários sarcásticos sobre Warren, a quem ele apelidou de "Pocahontas", após a senadora afirmar que era descendente de indígenas.

"Acho que ela está enviando sinais de que quer sair", afirmou o presidente.

Dois candidatos, Andrew Yang, um novo empresário da área de tecnologia na arena política, e o senador por Colorado Michael Bennet anunciaram sua desistência da disputa após resultados decepcionantes em New Hampshire, o primeiro voto primário do caminho da maratona para a indicação democrata que será anunciada na convenção em julho.

Com estas desistências, agora são nove os aspirantes democratas a derrotar Trump.

- "Orientação para a nação" -

Neste pequeno estado do país, com apenas 1,3 milhão de habitantes, as urnas começaram a fechar na última hora da tarde de terça-feira.

"Acredito que teremos uma boa participação", disse John Williams, fiscal eleitoral da capital Concord, à AFP.

"A nossa esperança é dar alguma orientação ao resto da nação para definir quem será o nosso próximo presidente", ressaltou, enquanto recebia um fluxo constante de eleitores apesar da nevasca que caía.

O advogado Mike Schowalter, de 39 anos, disse ter votado em Sanders, candidato que considera estar preparado para vencer Trump. Diferentemente de Hillary Clinton, que derrotou Sanders nas primárias democratas em 2016, Trump e Sanders conseguem igualmente dialogar com as pessoas que perderam seus empregos para a globalização, acrescenta.

- Entre a revolução e o realismo -

Ansiosos para recuperar a Casa Branca, os democratas se dividem entre a "revolução política" proposta por Sanders, que se defende como um "socialista democrata", e o realismo do moderado Buttigieg, ex-prefeito de South Bend, Indiana.

"New Hampshire, hoje temos a oportunidade de terminar o que começamos há quatro anos e enviar uma mensagem poderosa aos multimilionários", escreveu Sanders mais cedo em seu Twitter.

Buttigieg, o primeiro aspirante à Casa Branca declaradamente homossexual, também mandou um recado aos eleitores por meio do Twitter, apresentando-se como a renovação necessária para uma mudança real em Washington.

"O que decidirem hoje definirá o futuro da nossa nação", escreveu. "Juntos construiremos a colisão necessária para derrotar Trump em novembro".

Em New Hampshire, estado no qual os eleitores pró-independentes superam o número de democratas e republicanos, e podem votar em qualquer eleição nas primárias, há sempre o risco de que a balança se mova.

- "Mudança dramática" -

A nível nacional, Sanders lidera com 23%, seguido de Biden com 20,4%, que está em baixa desde janeiro. Segundo os analistas políticos, isso simboliza uma "mudança dramática".

No entanto, o magnata Michael Bloomberg (13,6%) já está em terceiro após entrar na disputa em novembro, ultrapassando Warren (13%), Buttigieg (10,4%) e Klobuchar (4,4%), segundo RealClearPolitics.

O ex-prefeito de Nova York decidiu não competir nos estados de Iowa, New Hampshire e Nevada, esse último que terá um caucus agendado para o próximo 22 de fevereiro. Ele também optou por não concorrer durante as primárias em 29 de fevereiro, na Carolina do Sul.

Com um discurso moderado e muitos dólares para gastar, Bloomberg pretende entrar de vez na corrida presidencial na chamada "Super Terça", no dia 3 de março, quando 14 estados terão primárias, entre eles territórios cruciais como a Califórnia, Virgínia, Carolina do Norte e o Texas.

O multimilionário investiu US$ 260 milhões de sua fortuna pessoal na campanha, irritando Sanders, que o acusa de "comprar as eleições".