Santa Mônica Centro Educacional é pentacampeão consecutivo e chega a sete títulos do Intercolegial

Mais uma grande conquista. Assim pode ser definido o pentacampeonato seguido do Santa Mônica Centro Educacional no Intercolegial. O título da edição especial de 40 anos dos jogos foi o sétimo da escola, que marcou 212 pontos para se tornar campeã geral. Completaram o pódio o Loide Martha, de Duque de Caxias, com 198 pontos, e o GEO Doutor Sócrates, de Guaratiba, que marcou 155.

O título foi construído modalidade a modalidade, com a rede de ensino inscrita pela unidade de Bento Ribeiro assumindo a ponta no fim do handebol, carro-chefe das modalidades coletivas. Além das conquistas que lhe deram a liderança, a escola conquistou títulos individuais no skate, no xadrez e no vôlei de praia (considerado uma modalidade individual no Intercolegial).

- A dificuldade é grande para se manter no topo. É muito difícil. A pandemia foi um fator preponderante, são coisas diferentes, mas de todo jeito obriga uma reestruturação, se recriar, tem uma diferença. Estou à frente do projeto tem mais de 20 anos, esse ano foi de muita superação e trabalho. Temos que parabenizar todas as escolas que participaram, trabalharam forte, projetos muito bons de prospecção de talentos, de construção de projetos esportivos, modalidades fortes, só honram mais a nossa conquista - afirmou o coordenador esportivo da escola, Luiz Cezar Soares. O desempenho também foi espetacular no núemro de medalhas: três ouros, cinco pratas e dois bronzes, somando 10, o maior número entre todos os concorrentes ao título. A 40ª edição do Intercolegial tem realização do jornal O GLOBO e apresentação do Sesc RJ.

- Essa edição foi tão diferente quanto especial pelos 40 anos. Nós temos equipes fortes de modalidades que não estavam no Intercolegial. O Loide fez uma competição fantástica do início ao fim, os GEOs também, sem as modalidades individuais, ficou mais difícil para nós, o que torna tudo também mais desafiador. É uma busca pelo diferencial. A alegria dos alunos, as famílias nas competições, a participação é fundamental, o esporte consegue levar todas essas pessoas às quadras por esse objetivo, reunir alunos, família, funcionários, é muito gostoso. É muito importante. - declarou Cezar.

Uma das principais dificuldades destacadas por Soares foi a de montar equipes e definir uma estratégia com as modalidades definidas para a edição. O pouco tempo e a recuperação após a pandemia também deram sabor diferente ao título.

- Os desafios foram enormes, e por isso, o sabor é de muito trabalho. Iniciar em abril, organizar tudo em cima, ainda mais após a pandemia, foi muito desafiador. Esse campeonato é um resgate do nosso projeto esportivo. Precisamos de um cronograma melhor da organização para o próximo Intercolegial para que o projeto possa seguir forte, com investimento alto, proporcionando uma formação acadêmica de qualidade para muitos alunos e ajudando principalmente os talentos bolsistas - afirmou.

Oitava modalidade esportiva nesta edição do Intercolegial, o Intersolidário deu um ponto de exclamação à grande temporada do Loide Martha. A escola de Duque de Caxias arrecadou sozinha duas toneladas, 779 quilos e 785 gramas para faturar o título de significado especial.

Ao todo, o Intersolidário, que é realizado desde 2020 para ajudar famílias afetadas pela pandemia, arrecadou cinco toneladas, 722 quilos e 785 gramas de alimentos. Com o título, o Loide Martha receberá uma benfeitoria de até 5 mil reais para realizar melhorias em suas instalações, além de um anúncio de uma página na revista dos jornais de bairro de O GLOBO, além de 20 pontos na classsificação geral.

A disputa foi apertada com o Santa Mônica, que coletou duas toneladas, 758 quilos e 980 gramas de alimentos para ficar com o vice-campeonato, que renderá R$ 3 mil em benfeitorias em suas instalações. O Centro Educacional Paes Barreto, também de Caxias, fechou o pódio e terá direito a R$ 2 mil para melhorias na escola.