Santiago volta a se confinar por agravamento da pandemia no Chile

·2 minuto de leitura
Estacionamento vazio em shopping na comuna La Florida, em Santiago, em 18 de março de 2021

O município de Santiago voltará ao confinamento total a partir deste sábado, diante do forte aumento dos casos de coronavírus no Chile, apesar do avanço da vacinação.

A quarentena na região que abriga o centro da cidade, o Palácio de La Moneda - sede da Presidência -, lojas, escritórios e bairros residenciais é retomada sete meses após a última medida deste tipo decretada em 16 de agosto.

Outros sete municípios da capital chilena, onde vivem 7,1 dos quase 19 milhões de habitantes do país, também serão confinados.

Nesta quinta-feira (18), nove bairros da região metropolitana iniciaram seu confinamento, na tentativa de conter as infecções, que chegaram a 6.249 novos casos e 172 mortes.

O ministro da Saúde, Enrique Paris, divulgou o balanço nesta quinta, quando foi divulgada o maior registro diário desde junho.

O recrudescimento no Chile vem após as férias de verão do sul e apesar do avanço da vacinação no país, onde 5,3 milhões de pessoas já receberam pelo menos a primeira dose, quase um terço da população-alvo.

Metade dos vacinados tem mais de 60 anos, segundo o ministro.

Com base nesse avanço, acrescentou Paris, está sendo observada uma diminuição nas internações de pacientes com mais de 70 anos.

A campanha para a população geral começou em 3 de fevereiro.

O presidente Sebastián Piñera anunciou que a partir do dia 24 de março terá início a vacinação de pessoas saudáveis, entre 50 e 59 anos.

Além disso, o Ministério da Saúde anunciou nesta quinta-feira que vai vacinar com antecedência os conselheiros que participarão das eleições de 11 de abril.

Desde o primeiro caso detectado no país, em 3 de março de 2020, o Chile já somou 911.469 infecções e 21.988 mortes por covid-19.

pa/pb/msa/rs/jc/mvv