Santos Dumont e Congonhas: três consórcios vão fazer estudos para definir modelo do leilão dos aeroportos

Geralda Doca
·1 minuto de leitura
Reprodução

BRASÍLIA – O governo autorizou a realização de estudos sobre a modelagem de concessão da sétima e última etapa de concessão dos aeroportos, que vai incluir Santos Dumont e Congonhas. Foram selecionados três consórcios - Grupo de Consultores em Aeroportos, Grupo VPP e um terceiro grupo - que terão prazo de 150 dias para concluir os trabalhos.

Os estudos serão encaminhados à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) , que selecionará o que melhor atender o edital de chamamento público. O segundo passo é a abertura de consulta pública das minutas do edital.

O governo pretende realizar o leilão no primeiro trimestre de 2022, após aprovação do Tribunal de Contas da União (TCU).

Nessa etapa serão leiloados, em três blocos, 16 aeroportos, puxados por Santos Dumont, Congonhas e Belém. Os estudos vão definir lances mínimos e investimentos obrigatórios durante os contratos de concessão.

Os atuais operadores privados poderão participar do certame, sem restrições. Ou seja, o administrador do Galeão poderá arrematar Santos Dumont.

Em abril deste ano, está previsto o leilão da sexta rodada de concessão, também em blocos com 22 terminais ao todo, tendo como chamariz os aeroportos de Curitiba, Goiânia e Manaus.