Santos informa que 210 morreram após enchente e promete reconstruir Mocoa

Mocoa (Colômbia), 2 abr (EFE).- O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, informou neste domingo que 210 pessoas morreram e 203 ficaram feridas na avalanche de água e pedras que arrasou parte de Mocoa após o transbordamento de três rios.

"O número de mortos subiu para 210, três além do que tínhamos quando iniciamos este balanço", disse o governante, que liderou pelo segundo dia consecutiva os trabalhos de resgate e atendimento das vítimas em Mocoa.

Santos, que voltou à região da tragédia acompanhado pela esposa, María Clemência de Santos, e vários ministros, detalhou que 170 corpos já foram identificados "em tempo recorde" e 112 "estão à disposição da promotoria para serem entregues aos entes queridos".

O governante detalhou que o número de feridos se mantém em 203, dos quais 68 foram levados a hospitais das cidades de Neiva e Popayán, as capitais dos departamentos de Huila e Cauca, respectivamente. De acordo com Santos, não há "nenhuma pessoa oficialmente declarada como desaparecida".

A tragédia de Mocoa ocorreu na madrugada do sábado, quando os rios Mocoa, Sangoyaco e Mulatos transbordaram por conta das intensas chuvas e criaram uma avalanche de água, pedras, árvores e diferentes materiais que passou por 17 bairros da capital do departamento de Putumayo, na fronteira com o Equador, e destruiu alguns deles.

Em seu relatório perante a imprensa, o chefe de Estado anunciou que as famílias receberão um seguro de 18,5 milhões de pesos (R$ 20 mil) como seguro pelos parentes mortos. Também serão pagos 250 mil pesos (R$ 275) mensais às famílias que queiram alugar imóveis enquanto o caso é solucionado. EFE