São Francisco proíbe venda de animais que não vieram de abrigos em pet shops

Geralt/Pixabay

Pet shops da cidade de São Francisco, nos Estados Unidos, estão proibidos de “vender cães e gatos não obtidos de organizações de resgate de animais ou abrigos”. A lei foi aprovada por unanimidade pelo Conselho de Supervisores da cidade, uma espécie de Câmara de Vereadores do local.

Por mais que à primeira vista isso possa parecer algo que venha a atrapalhar adoções, a legislação visa impedir que os bichinhos sejam criados em condições terríveis, visando apenas a procriação para venda de filhotes. Outro ponto defenido pela nova regra é a proibição da venda de animais com menos de 8 semanas de vida.

A ideia é que mais animais de abrigo sejam adotados ao invés de comprados. Os Estados Unidos não divulgam números concretos sobre a quantidade exata de cāes e gatos que vivem nessas instituições, contudo pesquisas não-oficiais apontam para uma quantia superior a 15 milhões.

A novidade não impede que criadores responsáveis façam negócios na cidade, mas desistimula o comércio, afirmou a supervisora Katy Tang ao jornal San Francisco Examiner.

“A portaria foi criada para chamar a atenção e interromper as práticas desumanas e enganosas das operações de criação em grande escala que fornecem animais para lojas de animais e diretamente aos consumidores on-line”, completou Katy.

Com informações do Good News Network.