São Paulo pode substituir Adidas pela Puma

Após o contrato com a Adidas, o São Paulo pode fechar com a Puma, o que irá gerar polêmica com o Palmeiras.
Após o contrato com a Adidas, o São Paulo pode fechar com a Puma, o que irá gerar polêmica com o Palmeiras. Foto: (Ricardo Moreira/Getty Images)

Chegando próximo do fim do contrato com a Adidas, o São Paulo já começa a conversar com outras fornecedoras de material esportivo para entender qual será o melhor negócio para vestir os atletas do clube do Morumbi a partir do ano de 2024. De acordo com o LANCE!, dirigentes do alto escalão do tricolor paulista já teriam em suas mãos algumas propostas de empresas dispostas a serem as responsáveis pelos uniformes do clube.

A Puma seria uma destas empresas, mas um negócio com a fornecedora que tem contrato de exclusividade com o Palmeiras no Brasil poderia gerar desgaste entre os dois clubes. O contrato do Verdão com a marca vai até o final do ano de 2024 e um novo acordo, sem o diferencial da exclusividade, poderia fazer com que os cartolas do clube alviverde ficassem insatisfeitos com a parceria e buscassem outra fornecedora.

Leia também:

A rivalidade, porém, não fica apenas entre os dois clubes de São Paulo. Adidas e Puma, que já foram até tema de filme, foram fundadas por dois irmãos, que possuíam uma única marca, mas se dividiram após conflitos internos. A Puma, criada um ano antes que a Adidas, 'roubaria' mais um time da empresa que patrocinava o Palmeiras até que o clube do Palestra Itália resolvesse trocar as três listras pelo felino.

Conflitos entre clubes e empresas: São Paulo x Adidas e Palmeiras x Puma

A insatisfação do São Paulo com a Adidas não é de hoje. No ano passado, o terceiro uniforme, lançado em agosto, teve suas vendas esgotadas em um final de semana e a reposição, prometida para duas semanas, levou quase dois meses. Além disso, o clube viu o uniforme da pré-temporada ter a marca da Roku, antigo patrocinador do tricolor, estampada mesmo com o fim do contrato há três meses. Uma nova leva de uniformes, em janeiro, deve mudar esta situação.

Já do lado do Palmeiras, o desgosto é em relação à distribuição dos produtos do clube ao torcedor e o preço que os palmeirenses pagam para vestir o uniforme do clube, que tem forma mais justa e incomoda o torcedor que não tem um porte físico 'padrão'.