São Paulo produzirá 17 milhões de doses da CoronaVac até fim de março

Anita Efraim
·1 minuto de leitura
SAO PAULO, BRAZIL - JANUARY 17: A nurse draws the CoronaVac vaccine from a vial at Hospital das Clinicas of the University of Sao Paulo (USP) on January 17, 2021 in Sao Paulo, Brazil. The CoronaVac vaccine was developed by the Chinese laboratory Sinovac in partnership with the Butantan Institute. The National Health Surveillance Agency (Anvisa) authorized today the emergency use of the CoronaVac and the AstraZeneca (developed by the University of Oxford in partnership with the Oswaldo Cruz Foundation (Fiocruz) vaccines against Covid-19. (Photo by Rodrigo Paiva/Getty Images)
No estado de São Paulo, 419 mil pessoas receberam a primeira dose contra o coronavírus (Foto: Rodrigo Paiva/Getty Images)

O governo de São Paulo espera produzir 17,3 milhões de novas doses da vacina CoronaVac até a primeira quinzena de março. Isso acontecerá porque o estado receberá 11 mil litros de insumos para produção de vacinas contra a Covid-19 até o dia 10 de fevereiro. O anúncio foi feito pelo governador João Doria durante coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes nesta segunda-feira, 1º.

O primeiro carregamento chegará da China na próxima quarta-feira, 3, e terá 5,4 mil litros de insumos, suficiente para produzir 8,6 milhões de doses da CoronaVac. O segundo tem previsão de chegada a São Paulo no dia 10 de fevereiro e contará com 5,6 mil litros de insumos, suficiente para produção de 8,7 milhões de doses da vacina. Com isso, será possível produzir mais de 17 milhões de doses.

Durante a coletiva, Doria anunciou que recebeu a notícia de aprovação da China para liberar a exportação dos insumos. O governo de São Paulo tem um acordo com a farmacêutica SinoVac para a produção de vacinas CoronaVac no Instituto Butantan.

Leia também

Até o momento, 419 mil pessoas já foram vacinadas no Brasil. O grupo inclui trabalhadores da saúde, quilombolas, indígenas e idosos que vivem em casas de repouso e asilos. A partir do dia 8 de fevereiro, o estado começará a vacinar idosos entre 85 e 90 anos, com 587 mil doses.