São Paulo terá volta de bandeiras de mastro no domingo

Retorno dos adereços de torcidas organizadas em São Paulo será no próximo domingo.
Retorno dos adereços de torcidas organizadas em São Paulo será no próximo domingo. Foto: (Alexandre Schneider/Getty Images)

Liberadas no fim de julho, após 26 anos de proibição, as bandeiras de mastro, com hastes ou suportes, voltarão aos estádios de futebol do Estado de São Paulo no próximo domingo, no Morumbi, na partida entre São Paulo e Botafogo, válida pela Série A do Campeonato Brasileiro.

Henrique Gomes, conhecido como "Baby", presidente da Torcida Independente, do São Paulo, anunciou em seu perfil no Instagram que o retorno dos adereços será no próximo domingo, com exceções, como a quantidade (duas por torcida organizada) e tamanho (não informado): "Atenção torcida. Domingo voltam as bandeiras de mastro. Não ainda como queremos, mas já é um ponto de partida. Violência é proibir a festa. Seguiremos respeitando o sistema, mas lutando pela festa total".

Leia também:

Desde o ano de 1996 sem serem permitidos, por uma lei estadual de autoria de Nabi Abi Chedid (artigo 5º da Lei nº 9.470, de 27 de dezembro de 1996: "Nos estádios de futebol e ginásios de esportes mencionados no Artigo 1.° ficam proibidas a venda, a distribuição ou utilização de: I - bebidas alcoólicas; II - fogos de artifício de qualquer natureza; III - hastes ou suportes de bandeiras; e IV - copos e garrafas de vidro e bebidas acondicionadas em lata"), os adereços de torcidas organizadas foram permitidos pelo juiz Fabrício Reali Zia escorado no Estatuto do Torcedor.

Na decisão, o magistrado afirmou que: "Considerando a exegese extraída da legislação apontada e o espírito da Lei em se permitir o lazer cultural brasileiro, sem se descurar da segurança, é de se conceder a autorização para a entrada de torcedores portando bandeiras, direito que fica condicionado ao intuito de manifestação festiva e amigável”, decidiu o juiz, “podendo ser revista a concessão judicial – por representação da autoridade policial ou do Ministério Público, em autos próprios – caso se verifique em momento posterior a esta concessão que o direito aqui assegurado não se adequou às diretrizes traçadas pelo Estatuto do Torcedor de se permitir o lazer com segurança".