São Paulo vai exigir passaporte de vacina em todos os eventos

·4 min de leitura
African American teenager shows vaccine passport on mobile phone to validate travel permission by the digital document
A medida foi tomada por causa do avanço da variante ômicron do novo coronavírus e dos casos de pessoas com sintomas gripais. (Foto: Getty Images)

A partir da próxima segunda-feira (10), todos os eventos realizados na cidade de São Paulo deverão exigir passaporte de vacina contra a Covid-19 e com a comprovação de duas doses, independentemente do número de pessoas. 

A medida foi anunciada na manhã desta quinta-feira (6) durante apresentação da Covisa (Coordenadoria de Vigilância Sanitária) sobre o cenário epidemiológico na capital, que levou o prefeito Ricardo Nunes (MDB) a cancelar o Carnaval de rua na capital paulista

Por enquanto, o documento é exigido apenas em locais com mais de 500 pessoas. "E antes bastava a comprovação de uma dose, agora será necessária a de duas", disse o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido. 

A medida foi tomada por causa do avanço da variante ômicron do novo coronavírus e dos casos de pessoas com sintomas gripais, que estão lotando unidades de saúde e hospitais, inclusive particulares. 

"Estamos fazendo essa alteração em função do quadro epidemiológico que a cidade vive hoje. Enquanto existir esse quadro de ascensão da variante ômicron na cidade, vamos exigir para qualquer evento a necessidade do passaporte", disse Aparecido. 

A regra, segundo ele, não vale para bares e restaurantes, e também foi tomada pelo grande número de festas que devem ser realizadas no período de Carnaval. 

Alguns órgãos públicos, como fóruns do Tribunal de Justiça, Câmara Municipal e o próprio prédio da prefeitura exigem o documento para liberar a entrada das pessoas. 

COMO COMPROVAR? 

Serão aceitos comprovantes impressos ou digitais   

ONDE BAIXAR O DOCUMENTO DIGITAL 

App e-saudesp; plataforma VaciVida; app Poupatempo Digital. 

A partir do próximo domingo (9), todos os funcionários públicos do governo estadual precisarão de passaporte de vacina. A medida já é adotada desde o ano passado para servidores da administração municipal de São Paulo. 

Aceleração de casos  

Após registrar cerca de 53 mil atendimentos de pessoas com problemas respiratórios na última quarta-feira (5) na rede municipal de saúde, a prefeitura ainda anunciou nesta quinta que as 469 UBSs (Unidades Básicas de Saúde) do município passarão a funcionar aos sábados, já a partir deste fim de semana. Os locais também farão vacinação contra Covid-19 e gripe. 

Luiz Antonio Vieira Caldeira, coordenador da Vigilância Sanitária, acredita que o número de atendimentos na quarta-feira é recorde. 

Segundo a Vigilância Sanitária, no meio de dezembro passado, as portas de emergência da rede municipal —UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), AMAs (Assistências Médicas Ambulatoriais) e pronto-socorros —tiveram, em média, 18 mil atendimentos por dia de pacientes com sintomas gripais. Ou seja, houve um aumento de quase 200%. 

Desde 23 de dezembro, por causa da pressão nas emergências, as UBSs passaram a atender pessoas com problemas respiratórios, sem a necessidade de agendamento. "Essa medida descomprimiu a demanda por emergência", afirmou Caldeira. 

Segundo ele, a análise apresentada ao prefeito, concluída na noite de quarta-feira, ainda tem cerca de 40% de atraso na notificação dos dados, principalmente por causa do ataque hacker no site do Ministério da Saúde, no mês passado. 

Mesmo assim, afirmou, a procura de pacientes com sintomas gripais, incluindo Covid-19 e influenza, na rede municipal de saúde, está semelhante ao pico da Covid, em março e abril de 2021. A diferença, disse, é que agora são casos leves, em que são receitados medicamentos para o tratamento, sem necessidade de internação. 

Na apresentação, com mais de 50 páginas, a Covisa mostrou que desde dezembro a saúde municipal vem enfrentando os dois problemas, o surto de gripe fora de época e o avanço da Covid-19 por causa da variante ômicron do novo coronavírus, que, segundo ele, já deveria ser responsável por até 70% das contaminações no fim do ano passado. 

Atualmente, afirmou, a maioria das pessoas que procuram atendimento médico com sintomas gripais leves são pacientes infectados pela variante ômicron. "O que nos preocupa é a continuidade de infecção de Covid e não estávamos contando com um rebote", afirmou. "O mundo esperava que com a vacinação teríamos cada vez menos casos de Covid, até não ter mais, mas ela voltou com força." 

A incidência simultânea da nova cepa da gripe H3N2 e da variante ômicron do coronavírus tem levado a um aumento de internações e atendimentos a pacientes com sintomas respiratórios em hospitais públicos e privados de São Paulo. 

O jornal Folha de S.Paulo mostrou que na última terça (4), a espera por atendimento na AMA Sorocabana, na Lapa (zona oeste), a espera chegava a cinco horas. O tempo era semelhante ao de prontos-socorros privados.

da Folhapress

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos