Sargento dos bombeiros volta ao trabalho após ser detido por passar mão no seio de adolescente de 14 anos

·2 minuto de leitura
Claudiney é sargento do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal - Foto: Reprodução/Instagram
Claudiney é sargento do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal - Foto: Reprodução/Instagram
  • Sargento foi flagrado pelas câmeras de segurança apertando o seio da adolescente

  • Ele foi detido e agredido por clientes do supermercado, antes de ser preso

  • Justiça liberou o homem no dia seguinte, e ele já retornou ao trabalho

Claudiney Valadares Lula, de 48 anos, voltou normalmente ao trabalho neste início de semana. O sargento do Corpo de Bombeiros foi preso na sexta-feira por passar a mão no seio de uma adolescente de apenas 14 anos, mas acabou liberado pela Justiça e retornou à corporação. As informações são do G1.

No último dia 4, câmeras de segurança de um supermercado de Ceilândia, no Distrito Federal, flagraram o momento em que Claudiney cruza com a adolescente e aperta o seio da jovem.

Leia também

A garota, que estava com o irmão e a mãe, para e volta-se para o sargento, como se não entendesse o que havia acabado de acontecer. Na sequência, porém, ela denuncia o ocorrido aos parentes.

Clientes da loja, que também ficaram sabendo da ação de Claudiney, detiveram o sargento. Imagens de uma outra câmera de segurança flagraram o momento em que o homem é levado para fora do estabelecimento, imobilizado e até agredido por alguns dos clientes.

Garota de apenas 14 anos foi assediada pelo sargento - Foto: Getty Images
Garota de apenas 14 anos foi assediada pelo sargento - Foto: Getty Images

Claudiney foi preso em flagrante naquela mesma noite por importunação sexual, mas, por decisão da Justiça, foi liberado no dia seguinte sem pagamento fiança. Ele apenas deve respeitar algumas medidas, como não aproximar-se da vítima e seus familiares, além de nunca mais frequentar o supermercado onde tudo aconteceu.

Corpo de Bombeiros divulgou nota

De acordo com apuração do G1, o sargento já retomou seu posto no serviço administrativo do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal.

A corporação limitou-se a soltar uma nota, na qual afirmou que "vem acompanhando todos os procedimentos apuratórios e em momento oportuno, se confirmando a veracidade das informações, como de praxe, tomará todas as medidas administrativas cabíveis e necessárias para o caso".