Sauditas querem deixar assassinato de Khashoggi para trás

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Autoridades sauditas disseram, neste sábado (16), que querem deixar para trás o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, um dia depois de o presidente americano, Joe Biden, ter mencionado o caso em conversas com o príncipe herdeiro, Mohammed bin Salman.

Na sexta-feira (15), Biden chamou a morte de Khashoggi de "ultrajante" e disse ter alertado o príncipe Mohamed contra novos ataques a dissidentes, sem especificar que medidas poderiam ser tomadas por Washington.

No ano passado, o governo Biden divulgou uma avaliação da Inteligência americana, segundo a qual o príncipe Mohammed "aprovou" a operação que levou ao assassinato e desmembramento de Khashoggi no consulado do reino, em Istambul, em 2018.

O canal Al Arabiya citou uma autoridade saudita, a qual relatou que os dois líderes "abordaram a questão de Jamal Khashoggi rapidamente" e que o príncipe Mohamed "confirmou que o ocorrido é lamentável e que tomamos todas as medidas legais para evitar" a repetição de algo similar.

O príncipe Mohammed também observou que "um incidente como esse acontece em qualquer lugar do mundo" e destacou "uma série de erros" cometidos por Washington, como a tortura de detidos na prisão de Abu Ghraib, no Iraque, informou a Al Arabiya.

Em entrevista à CNN, o ministro saudita das Relações Exteriores, Adel al-Jubeir, disse que o reino acredita que o assunto "Khashoggi" já foi abordado o suficiente, embora os restos mortais do jornalista nunca tenham sido encontrados.

Em 2020, um tribunal saudita condenou oito pessoas entre 7 e 20 anos de prisão pelo homicídio. Seus nomes nunca foram divulgados, e a noiva de Khashoggi classificou a sentença como uma "farsa".

"O Reino da Arábia Saudita investigou este crime. O Reino da Arábia Saudita fez os responsáveis prestarem contas, e eles estão pagando o preço do crime que cometeram enquanto falamos", frisou Jubeir.

"Investigamos, punimos e implementamos procedimentos para garantir que isso não volte a acontecer. É o que os países fazem em situações como essa", acrescentou.

aue/rcb/it/meb/mar/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos