Scarlett Johansson diz que mulheres são subestimadas em Hollywood

·2 minuto de leitura
BEVERLY HILLS, CALIFORNIA - FEBRUARY 09: Scarlett Johansson attends the 2020 Vanity Fair Oscar Party at Wallis Annenberg Center for the Performing Arts on February 09, 2020 in Beverly Hills, California. (Photo by David Crotty/Patrick McMullan via Getty Images)
Scarlett Johansson posa para os fotógrafos no tapete vermelho do Oscar 2020 (Photo by David Crotty/Patrick McMullan via Getty Images)

Resumo da notícia:

  • Scarlett Johanson tem aproveitado a divulgação de "Viúva Negra" para jogar luz sobre o machismo em Hollywood

  • Em nova entrevista, ela destacou os avanços na indústria após o #MeToo, mas deixou claro que o setor ainda é cruel com as mulheres

  • "Somos subestimadas, mal-atendidas, desvalorizadas e mal pagas", disse ela

Scarlett Johansson protestou contra o machismo em Hollywood em nova entrevista à revista Glamour. Segundo a atriz de 36 anos, apesar dos avanços na indústria após o #MeToo, a indústria segue sendo desleal com as mulheres.

“Como mulher, você tem que ser [sua própria aliada] o tempo todo, porque somos subestimadas, desvalorizadas e mal pagas – você tem que ser sua própria aliada", disse a artista, que estuda os próximos passos para a sua carreira.

Leia também:

"Minha mãe (a produtora de cinema Melanie Sloan) me incutiu isso desde quando eu era muito, muito jovem, porque é claro que ela passou por isso ainda mais severamente do que eu", continuou a estrela de "Viúva Negra".

 "Mesmo quando eu era um adolescente na indústria ou uma jovem adulta, minha mãe tinha essas conversas. Tipo, 'por que ela não está recebendo [da mesma forma]?'", lembrou a atriz, que recentemente apontou machismo na forma como Natasha Romanoff foi inserida no Universo Cinematográfico Marvel.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

A atriz contou que foi ensinada em casa a lutar desde cedo contra a desigualdade entre salários de homens e mulheres. "Fazia parte do problema sistêmico que uma mulher não pudesse ser tão lucrativa ou atrair bilheterias", disse ela.

"Minha mãe recusou isso e me inspirou: 'Não, você tem que lutar contra isso. Você é desejável por causa do seu trabalho e é aí que está o seu valor. Está no seu talento. Não tem nada a ver com o seu gênero e não deixe ninguém fazer você se sentir assim'.", completou.

Scarlett Johansson em cena de
Scarlett Johansson em cena de "Viúva Negra" (reprodução)

Mais especificamente sobre o #MeToo, movimento de atrizes que jogou luz sobre o assédio moral e sexual de produtores e diretores, Johansson celebrou a união feminina na profissão, mas reforçou que trata-se de uma luta em andamento.

"Tivemos que comentar sobre o que é esse movimento incrível de mulheres apoiando outras mulheres e passando por essas experiências compartilhadas de trauma do outro lado, realmente avançando e apoiando umas às outras”, disse a atriz. "É realmente uma luta constante. Ainda estou nessa luta maldita. Todas nós estamos.”

Ouça o Pod Assistir, podcast de filmes e séries do Yahoo:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.
Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos