Scholz declara apoio da Alemanha à Ucrânia frente à ameaça russa

·1 min de leitura
O chanceler alemão, Olaf Scholz, posa para fotos por ocasião da gravação de seu discurso de Ano Novo na sede da chancelaria, em Berlim, 30 de dezembro de 2021 (AFP/Kay Nietfeld) (Kay Nietfeld)

Em seu primeiro discurso de Ano Novo como chanceler alemão, o social-democrata Olaf Schoz expressou seu apoio à Ucrânia e insistiu na "inviolabilidade" das fronteiras europeias em meio a temores de uma possível invasão russa.

"No que diz respeito à Ucrânia, novos desafios se apresentam. A inviolabilidade das fronteiras é um bem precioso e inegociável", disse o novo chanceler alemão.

Uma advertência tão clara a outro país é pouco habitual em discursos de fim de ano, tradicionalmente dedicados a questões internas.

Desde o começo, seu novo Executivo de coalizão, com ambientalistas e liberais, deixou clara uma posição mais firme frente a regimes autoritários como Rússia e China, diante dos quais sua antecessora, Angela Merkel, optou por uma relação mais pragmática, priorizando os interesses comerciais.

As tensões na fronteira russo-ucraniana, onde foram mobilizados milhares de militares nas últimas semanas, foram o tema principal nesta quinta-feira de uma conversa telefônica entre os presidentes russo, Vladimir Putin, e americano, Joe Biden.

Scholz assegurou que a "cooperação transatlântica" era "indispensável para a segurança na Europa", mas sobretudo defendeu uma maior "cooperação internacional" e uma "Europa mais soberana e forte".

"Nosso objetivo é uma Europa soberana e forte. Uma Europa que viva segundo seus valores comuns de paz, de Estado de Direito e de democracia", afirmou Scholz, cujo país assumirá em 1º de janeiro a presidência rotativa do G7.

dac/ylf/fjb/dbh/gm/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos