Scholz promete 65 bilhões de euros para proteger os alemães durante inverno

Por Thomas Escritt

BERLIN (Reuters) - A Alemanha gastará pelo menos 65 bilhões de euros para proteger consumidores e negócios da inflação cada vez maior, disse o chanceler Olaf Scholz neste domingo, dois dias depois de a Rússia anunciar que suspenderia algumas entregas de gás indefinidamente.

As medidas, concordadas após 22 horas de conversas entre os três partidos da coalizão, incluem aumento de benefícios e subsídios de transporte publico, pagas com um imposto sobre as empresas de eletricidade e adiantando a implementação de uma taxa corporativa mínima global de 15% na Alemanha.

A invasão da Rússia à Ucrânia em fevereiro levou a uma inflação mundial e gerou alertas de turbulências sociais e econômicas, enquanto o mundo se livra gradualmente de energia barata e de cadeias de abastecimento globais flexíveis.

Na Alemanha, onde a inflação ano a ano estava em 7,9% em agosto, o efeito tem sido exacerbado pela redução da Rússia em volumes de gás bombeados ao país, que causou um aumento no preço da energia na maior economia da Europa.

“A Rússia não é mais uma parceria de energia confiável”, disse Schols em uma entrevista coletiva, acrescentando que as preparações anteriores da Alemanha significavam que ela conseguiria passar pela temporada de aquecimento do verão.

Os estoques de gás alcançaram 85% de capacidade no sábado, quase um mês antes do programado, parcialmente porque corporações cortaram o consumo.

Mas, embora o fornecimento tenha sido suficiente, o governo precisará ajudar a proteger consumidores e negócios dos preços mais altos, disse.

“Vocês nunca caminharão sozinhos”, acrescentou, mudando para inglês para citar a famosa música adotada por torcedores do clube de futebol inglês Liverpool.

A crise de energia ficou mais evidente quando a gigante estatal da Rússia, Gazprom, disse na sexta-feira que manteria fechado o seu principal oleoduto, Nord Stream 1, o maior oleoduto único que carrega gás russo à Alemanha.

Schols rejeitou sugestões de que perder os fluxos constantes do barato gás russo, com os quais a Alemanha prosperou por décadas, poderia anunciar uma nova era mais sombra para o seu país.

O pacote mais recente leva a 95 bilhões de euros a quantidade de dinheiro alocada para o combate à inflação desde que a guerra na Ucrânia começou em fevereiro. Em contraste, o governo gastou 300 bilhões de euros para impulsionar a economia durante os dois anos da pandemia.

O ministro das Finanças, Christian Lindner, disse que os 65 bilhões de euros anunciados no domingo poderiam aumentar se os preços da eletricidade continuarem a crescer. O imposto inesperado - chamado de “imposto de coincidência” para amenizar as objeções do seu partido com o termo original - traria receitas em “dois dígitos de bilhão”, disse.

Parte das receitas serão usadas para oferecer 1,7 bilhão de euros em alívios fiscais para 9.000 empresas intensivas de energia, segundo um documento do governo.