“Se Deus quiser vou continuar meu mandato”, diz Bolsonaro

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
BRASILIA, BRAZIL - JANUARY 20: Jair Bolsonaro, President of Brazil, reacts during the Air Force 80th Anniversary Celebration amidst the Coronavirus (COVID - 19) pandemic at the Brazilian Air Force Base on January 20, 2021 in Brasilia. Brazil has over 8.570,000 confirmed positive cases of Coronavirus and has over 211,491 deaths. (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)
BRASILIA, BRAZIL - JANUARY 20: Jair Bolsonaro, President of Brazil, reacts during the Air Force 80th Anniversary Celebration amidst the Coronavirus (COVID - 19) pandemic at the Brazilian Air Force Base on January 20, 2021 in Brasilia. Brazil has over 8.570,000 confirmed positive cases of Coronavirus and has over 211,491 deaths. (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na quarta-feira (20) que, “se Deus quiser” vai ficar no cargo até 2022. Diante do colapso da saúde em Manaus e da confusão envolvendo o início da vacinação contra covid-19 no país, a campanha pelo impeachment do presidente tem se intensificado nas redes sociais.

Na Mesa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), até o dia 19 de janeiro, existiam, em análise, 55 pedidos de impedimento contra Bolsonaro.

“Se Deus quiser vou continuar meu mandato e, em 2022, o pessoal (que) escolha. Tem muita gente boa para escolher”, disse o presidente, em conversa com apoiadores, no Palácio da Alvorada. “Espero que os bons se candidatem também, para não deixar os mesmos de candidatos.”

Leia também

Apoiadores questionaram sobre a trágica situação de Manaus, onde pacientes com covid-19 morreram por falta de oxigênio nos hospitais.

“Agora o problema lá é mais grave que no resto do Brasil. Geralmente, a rede pública lá, de hospital, sempre esteve cheia, 90%, 95%, e as cirurgias estão sendo adiadas”, afirmou Bolsonaro.

Apesar de membros da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já terem refutarem a existência de tratamento precoce contra a covid-19, o presidente da República voltou a defender o tratamento preventivo da doença.

“Então, a pessoa que podia ter um tratamento preventivo lá atrás não vai (ao hospital) porque não tem atendimento e, quando agrava a doença, ela vai e junta com a pessoa que está com covid. Daí vem o caos.”

Mesmo afirmando que a situação de Manaus é mais grave, Bolsonaro admitiu que o “o caos não é só lá” e afirmou que, “parece” que em uma cidade do interior do Amazonas havia começado a aparecer o problema.