'Se houver contestação dentro da regras eleitorais, elas serão analisadas', diz Moraes

SÃO PAULO, SP,  BRASIL, 30.10.2022 -  2° Turno das eleições 2022. O presidente do TSE, ministro Alexandre de Moraes, vota no colégio Madre Alix, no Jardim Paulistano, zona oeste. (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)
SÃO PAULO, SP, BRASIL, 30.10.2022 - 2° Turno das eleições 2022. O presidente do TSE, ministro Alexandre de Moraes, vota no colégio Madre Alix, no Jardim Paulistano, zona oeste. (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Alexandre de Moraes, disse neste domingo (30) que a corte vai analisar eventuais contestações ao resultado do pleito, caso elas sejam apresentadas dentro das "regras eleitorais".

"Se houver contestação dentro das regras eleitorais, elas serão analisadas normalmente", disse Moraes.

O presidente do TSE disse não acreditar que haja algum "problema" sobre o resultado do pleito. E defendeu que seja alterada a legislação sobre fake news para ampliar a cobranças às redes sociais.

Com 99,97% das urnas apuradas, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) obteve 50,90% dos votos válidos, ante 49,10% de Jair Bolsonaro (PL).

"Não vislumbramos nenhum risco real de contestação", disse. "O resultado foi proclamado, foi aceito e aqueles que foram eleitos serão diplomados e tomarão posse."

"Compete muito mais aos vencedores unir o país. Aqueles que foram eleitos governarão para todos", declarou.

Moraes defendeu que, após as eleições, o Congresso e a Justiça voltem a debater meios mais eficazes para combater fake news nas redes sociais.

Segundo ele, apesar de o TSE ter equiparado as plataformas de mídias sociais a meios de comunicação, isso precisa ser expandido para outros fins além dos eleitorais.

"Passadas as eleições, não tenho dúvida de que agora é o melhor momento [para essa discussão]", disse.

"Precisamos de instrumentos mais eficazes para que se evite a proliferação de fake news."