'Se a maioria topar adiar, a gente adia', diz Weintraub sobre o Enem 2020

Evelin Azevedo

RIO - O ministro da Educação Abraham Weintraub disse em uma live no início da noite desta terça-feira que a consulta aos candidatos sobre o adiamento ou não do Enem 2020 deve ocorrer entre o fim de junho e início de julho. A espera se daria para que houvesse tempo suficiente para que uma discussão ampla sobre o assunto fosse feita. Ele afirmou que vai respeitar a decisão dos candidatos.

— Vamos ouvir a parte interessada, a que se inscreveu. Se a maioria topar, a gente adia. A minha posição é respeitar as pessoas, não é nada impositivo. Quem não quiser opinar, pode ficar quieto também — afirmou.

Weintraub afirmou que 90% dos mais de 4 milhões de inscritos no exame declararam na inscrição possuir internet em casa ou no celular, o que possibilitaria que a consulta fosse feita pela página do candidato, que é online.

O ministro disse acreditar que a grande maioria dos inscritos vão querer fazer a prova na data marcada ou que vão optar pelo adiamento de 30 dias. O ministro disse também que 63% dos inscritos já concluiu o Ensino Médio e que 12% são treineiros, ou seja, a maior parte dos candidatos não está no último ano do Ensino Médio. A fala foi usada como argumento para manter a prova em novembro.

Questionado por quem assistia à transmissão, Weitraub afirmou que o resultado da consulta que será feita aos candidatos vai passar por auditorias, como do Ministério Público Federal, e que os números poderão ser divulgados com recorte de estado, para mostrar qual era a vontade dos candidatos de cada região.