'Se não for feita a justiça do homem, cremos na justiça do Senhor', diz irmã de sargento morto em acidente provocado por surfista

Luiza Moraes
·3 minuto de leitura
Luiza Moraes / Agência O Globo

RIO — Foi enterrado na tarde desta sexta-feira o sargento da Marinha Diego Gomes da Silva, de 36 anos, morto na quarta-feira em um acidente de trânsito provocado pelo surfista Felipe Cesarano em São Conrado, na Zona Sul do Rio. O atleta estava embriagado ao volante. Amigos e familiares se despediram do militar no Cemitério de Paciência, na Zona Oeste. Sob forte emoção, lamentaram o adeus precoce e pediram por Justiça.

— Infelizmente a gente conhece as leis do Brasil. Esperamos que seja feita Justiça. Se não for feita a justiça do homem, cremos na justiça do Senhor. Meu irmão não vai voltar, mas isso vai servir de lição e mudança para outras famílias — disse a irmã do sargento, Monique Gomes.

Monique conta que foi informada da morte de Diego pela Marinha. Ela estava em uma ligação no telefone com a mulher dele, Patrícia, quando a cunhada recebeu um telefonema.

— A princípio, não falaram do acidente. Comunicaram que estavam a caminho da casa dela porque algo grave havia acontecido. Foi horrível. Perder um irmão de 36 anos, uma pessoa super amorosa, uma pessoa que realmente buscava estar sempre perto da família. Ele estava na Marinha há 18 anos. Sempre quis atuar lá, desde pequenininho. Realizou esse sonho, não é? Deus sabe de todas as coisas — lamenta Monique.

Diego deixa um filho de 9 anos. A relação com Patrícia começou há 13 anos, mas o casamento foi realizado no ano passado. Segundo a irmã, a celebração para oficializar a união também "foi a realização de um sonho do casal".

Vídeo mostra colisão

Um vídeo obtido pelo GLOBO mostra o momento exato da colisão envolvendo o carro do surfista Felipe Cesarano e o veículo conduzido pelo sargento da Marinha Diego Gomes da Silva. As imagens foram registrados pelo circuito interno de câmeras de um condomínio.

O acidente ocorreu no início da manhã de quarta-feira, dia 16. O surfista estava sozinho dentro da caminhonete, no sentido Zona Sul. Cesarano invadiu uma das pistas da Autoestrada Lagoa-Barra na contramão. Ele subiu no separador da via e bateu de frente com o carro de Diego. No vídeo, é possível conferir que o impacto da batida faz com que o veículo vire para o sentido contrário da pista e a parte frontal fica destruída.

Liberdade provisória

Cesarano foi preso em flagrante por homicídio culposo provocado por embriaguez ao volante e levado para o presídio de Bangu. Como a legislação de trânsito do Brasil foi modificada, ele não poderia sair sob fiança. Na tarde de quinta-feira, a Justiça concedeu a liberdade provisória ao surfista.

Na decisão, o juiz Alex Quaresma Ravache, do Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ), ressalta que apesar da "extrema reprovabilidade da conduta" de Cesarano, "trata-se de delito culposo, o qual não está inserido no rol dos crimes que admitem a prisão preventiva".

Polícia investiga

A Polícia Civil tem dez dias para apurar as circunstâncias do caso e testemunhas ainda serão ouvidas na 15ª DP (Gávea). Os agentes já buscam câmeras de segurança que mostram onde o surfista estava antes de bater e matar o sargento. Também será apurado se houve prática de algum outro crime.

"Gordo", como o surfista é conhecido, disse que participou de uma festa pouco antes do acidente. O exame de perícia apontou que a quantidade de álcool no sangue indicava que ele estava embriagado no momento da colisão.

— Ele disse que não lembrava, mas afirmou que tomou algumas cervejas. Foi feito o teste de alcoolemia no IML, que testou positivo. Ele fez exame clínico sem sangue. Os peritos constataram que ele estava bêbado. Mas na realização da perícia, ele deu gargalhadas durante a elaboração do laudo. Ainda se mostrou indiferente ao resultado e à tragédia que aconteceu, o que traz para nós uma certa surpresa pela falta de humanidade diante desse fato — ressaltou o delegado titular15ª DP Daniel Rosa.