Se não posso trocar o superintendente da PF, troco o diretor-geral, diz Bolsonaro

TALITA FERNANDES
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 21.08.2019: Presidente da República, Jair Bolsonaro, durante Congresso do Aço, realizado no CICB, em Brasília. (Foto: Mateus Bonomi/Agif/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a defender nesta quinta-feira (22) seu direito de intervir na Polícia Federal e disse que, se não puder trocar um superintendente do órgão, pode mudar o diretor-geral.

"Agora há uma onda terrível sobre superintendência. Onze [superintendentes] foram trocados e ninguém falou nada. Sugiro o cara de um estado para ir para lá: 'Está interferindo'. Espera aí. Se eu não posso trocar o superintendente, eu vou trocar o diretor-geral", afirmou.

A declaração foi feita na saída do Palácio da Alvorada, ao ser questionado se ele pretendia retirar Maurício Valeixo da diretoria-geral da PF.

"Se eu trocar hoje, qual o problema? Está na lei que eu que indico e não o Sergio Moro. E ponto final", afirmou, em mais um atrito público com o ex-juiz federal e hoje ministro da Justiça.

Os atritos entre Bolsonaro e a PF rementem à semana passada.

O presidente pegou a corporação de surpresa ao dizer espontaneamente em entrevista que Ricardo Saadi, superintendente da PF no Rio, seria trocado por questões de gestão e produtividade. A corporação logo reagiu e divulgou uma nota negando que a mudança tivesse a ver com a conduta do superintendente.

A partir disso, Bolsonaro passou a repetir que as mudanças precisam passar por sua análise para que ele, por exemplo, não seja um "presidente banana".

Na noite desta quarta (21), Bolsonaro fez uma postagem no Twitter dizendo que é sua atribuição escolher o chefe da instituição.

"Confio plenamente em meus ministros. A eles conferi total autonomia. Aos setores da imprensa que me acusam de interferir na PF, lembro que, de acordo com a lei 13.047/14, a escolha do Diretor Geral dessa exemplar instituição é de competência exclusiva do Presidente da República", escreveu.

Já nesta quinta-feira o presidente deu sinais trocados sobre se vai mudar o comando da polícia, mas repetiu diversas vezes que isso cabe a ele e não ao ministro da Justiça.

A PF é subordinada ao ministro Moro (Justiça), enfraquecido em meio à divulgação de mensagens que mostram sua atuação em parceria com os procuradores em diferentes processos da Lava Jato e que colocaram em xeque sua atuação como juiz federal.

Moro também tem sofrido seguidas derrotas no Congresso, onde tramita um pacote de medidas anticrime encaminhado por ele no início do governo.

"É intenção minha, a hora que eu achar correto. Se é para não ter interferência, o diretor anterior, que é o que estava lá com o Temer, tinha que ser mantido. Ou a PF agora é algo independente? A PF orgulha a todos nós, e a renovação é salutar, é saudável", disse.

"O Valeixo pode querer sair hoje. Não depende da vontade dele. E outra, ele é subordinado a mim, não ao ministro. Deixo bem claro isso aí. Eu é que indico. Está bem claro na lei, o diretor-geral."

Ao ser questionado sobre se vai trocar agora Valeixo, respondeu: "Você vai ficar querendo saber."