'Se não tomarmos medidas agora, será tarde', diz coordenador do comitê do coronavírus em SP sobre queda no isolamento

Ana Letícia Leão
Moradores das periferias de São Paulo enfrentam dificuldades para fazer isolamento social

SÃO PAULO - Autoridades de saúde que participam do Centro de Contigência do coronavírus em São Paulo ressaltaram hoje, em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, a preocupação com as constantes quedas na taxa de isolamento social no estado, e consequentemente, a urgência em se implantar medidas de afastamento mais efetivas.

A preocupação maior é em relação às periferias, regiões em que o vírus tem se expandido com rapidez. Segundo Dimas Covas, coordenador do Centro de Contingência, se medidas mais restritivas não forem tomadas agora, "será tarde".- A epidemia se desloca para as periferias, onde temos a maior densidade populacional. Isso é um problema, sem dúvida, porque ali há condições muito propícias à transmissão. Mesmo que a pessoa se isole, ela fique em uma casa com muitas pessoas, com uma metragem quadrada reduzida. É um desafio, só que as medidas precisam ser tomadas rapidamente. Não podemos esperar esgotar nossa capacidade de atendimento ou de ações específicas nessas regiões. Se não tomarmos medidas agora, mas daqui a uma semana, ou dez dias, será tarde. É preciso agir no sentido de implementar maior adesão às medidas de afastamento focadas nas comunidades - afirmou.

Leia também

Lauri Jardim:Aumenta possibilidade de decretação de lockdown em São PauloOntem, o coordenador do Centro de Contingência havia dito que São Paulo caminha para o lockdown em alguns municípios se não houver uma reversão nas taxas de isolamento e de ocupação dos leitos hospitalares. Ele não adiantou em quais cidades a medida poderia ser adotada, mas o governo destacou que as áreas com piores índices são a região metropolitana de São Paulo e a Baixada Santista.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

A taxa de isolamento no estado e na região metropolitana de São Paulo tem caído nas últimas semanas em comparação aos números registrados no início da quarentena. Em meados de março, São Paulo atingiu taxas de 56% de isolamento, mas hoje o número não tem passado de 47%, mesmo com medidas mais restritivas de circulação, como o rodízio ampliado de veículos.- Índice de isolamento é medida indireta para a taxa de contágio. Quanto mais elevado, menor a taxa.

A taxa de contágio aumentou, então isso vai se refletir nas próximas semanas. Se cai (a taxa de isolamento), todo o esforço que fizemos antes se perde rapidamente e coloca de novo o vírus em circulação. Aponta para uma piora dos indicadores. Estamos em um momento muito crítico da evolução dessa pandemia - disse Dimas Covas. Coronavírus Serviço: tudo o que você precisa saber para lidar com a doença

Nesta quinta-feira, a taxa de ocupação de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) na Grande São Paulo é de 85%. Já no estado, a situação é menos crítica: 69%. Há quase 10 mil pessoas internadas entre suspeitos e confirmados para Covid-19, segundo o secretário de Saúde, José Henrique Germann. São Paulo soma 54.286 casos de coronavírus e 4.315 mortes.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.