O que se sabe sobre o processo de impeachment contra Trump

Gráfico dos possíveis cenários no processo de destituição presidencial nos EUA

Maioria na Câmara dos Representantes, os democratas americanos votam nesta quarta-feira (18) para abrir um julgamento político contra Donald Trump sobre o caso ucraniano. É improvável, contudo, que o presidente seja destituído, pois o resultado do processo depende do Senado, dominado pelos republicanos.

- O telefonema -

Em 25 de julho, Trump telefonou para o novo presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, para que Kiev investigasse Joe Biden, seu possível rival democrata nas eleições presidenciais de 2020, e seu filho Hunter.

- A investigação -

Os democratas da Câmara dos Representantes abriram uma investigação para o julgamento político contra Trump em 24 de setembro, depois de tomar conhecimento do conteúdo da conversa entre ele e Zelenski, graças a um denunciante anônimo.

A oposição suspeita que ele tenha pressionado a Ucrânia a condicionar uma ajuda militar de cerca de 400 milhões de dólares ao anúncio dessas investigações.

Trump diz que suas conversas com Zelenski foram "perfeitas" e repete, sem provas, que Joe e Hunter Biden são "corruptos", porque o filho do ex-presidente democrata estava no conselho do Burisma, um grupo ucraniano de gás acusado de práticas duvidosas.

- Audiências públicas tensas -

Em outubro e novembro, o Comitê de Investigação da Câmara interrogou uma dezena de testemunhas durante audiências fechadas e depois públicas. A Casa Branca se recusou a colaborar, e o chefe de gabinete do presidente, Mick Mulvaney, e o ex-conselheiro de Segurança Nacional John Bolton não testemunharam.

Testemunhos indiretos de diplomatas, ou de funcionários do governo, apontaram as pressões de Trump sobre Kiev.

O embaixador dos EUA na União Europeia, Gordon Sondland, deu o testemunho mais comprometedor. O empresário indicado por Trump confirmou que o presidente dos EUA convidou Zelenski para uma visita à Casa Branca em troca do anúncio de investigações contra Biden, de acordo com as "ordens" do presidente republicano.

Trump, no entanto, "nunca lhe disse diretamente que a ajuda militar" fazia parte do acordo, e Sondland admitiu que ele fez "sua própria dedução", vinculando os dois casos.

Os congressistas republicanos apoiam Trump, dizendo que não houve acordo de "toma lá, dá cá", pois a ajuda militar foi dada à Ucrânia sem Kiev anunciar nenhuma investigação, e Trump usou apenas suas prerrogativas presidenciais para combater a corrupção na Ucrânia.

Os republicanos denunciam testemunhos baseados em boatos e falam sobre uma teoria da conspiração de que a Ucrânia, e não a Rússia, interferiu nas eleições de 2016 para ajudar os democratas.

- Duas acusações contra Trump -

Em 10 de dezembro, o Comitê Judiciário da Câmara aprovou duas acusações contra Trump.

Segundo a acusação, Trump cometeu "abuso de poder", pedindo a Zelenski que iniciasse uma investigação sobre Biden. Ao fazer isso, acrescenta o texto, minou "a integridade" das eleições do próximo ano. Os democratas do comitê também acusaram o presidente dos EUA de "prejudicar o bom funcionamento do Congresso", impedindo que membros de seu governo testemunhassem durante a investigação.

A Câmara de Representantes vota nesta quarta-feira sobre esses artigos em plenário. Os democratas têm uma grande maioria lá: 233 cadeiras contra 197.

Trump provavelmente se tornará o terceiro presidente da história dos EUA julgado no Congresso, depois de Andrew Johnson (1868) e Bill Clinton (1998). Em 1974, Richard Nixon renunciou antes da votação na Câmara.

- O julgamento no Senado -

É muito provável que o presidente seja absolvido durante o julgamento político no Senado em janeiro.

No Senado, onde os republicanos têm 53 dos 100 assentos, os democratas devem convencer 20 senadores do partido no poder a votar a favor de uma das duas acusações contra Trump. A tarefa é quase impossível, dada a profunda divisão entre as duas formações políticas.