'Se tiver que elevar o tom, eleva', diz Daniel Silveira sobre 7 de Setembro

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) celebrava as falas de Jair Bolsonaro (PL) com gritos de apoio e palmas nos bastidores do debate entre os candidatos à Presidência no domingo (29), na TV Bandeirantes, em São Paulo.

Silveira disse à coluna Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, que irá participar do ato de 7 Setembro ao lado do de Jair Bolsonaro (PL) no Rio de Janeiro, e deve comparecer também à manifestação em Brasília. Questionado se há alguma conversa do mandatário e de apoiadores sobre baixar o tom de possíveis ataques às cortes superiores, ele afirmou que "não tem essa conversa, não".

"Não tem como controlar a massa. Num momento em que as pessoas querem mudança, elas pedem. No tom que tiver de ser. Tem um ditado antigo que diz: 'Situações extremas requerem medidas extremas'. Ou seja, se a situação é extrema e tiver que elevar o tom, eleva."

Em abril deste ano, o deputado foi condenado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) a 8 anos e 9 meses de prisão, em regime inicial fechado, por ataques aos ministros da corte. Um dia depois, no entanto, recebeu um indulto do presidente Bolsonaro.

O parlamentar estava sentado próximo ao ex-ministro Ricardo Salles (PL), que se envolveu em uma confusão com o deputado federal André Janones (Avante-MG) nos dois primeiros intervalos da sabatina.

O deputado bolsonarista só chegou a tempo de ver a segunda parte da briga. "Sempre tem alguém com ânimo mais exaltado mesmo, é normal, é democracia", afirma Silveira.