Sean Connery: a vida do 'homem durão e com nervos de aço' que se tornou o 007

·9 minuto de leitura

Para muitos, Sean Connery foi o James Bond definitivo. Suave e de coração frio, seu 007 era em cada centímetro o dinossauro dos livros da Guerra Fria.

Ele desfilou pela tela com licença para matar. Ele andava como uma pantera, faminto e em busca de uma presa. Não tinha competição. Seu grande rival, Roger Moore, por outro lado, simplesmente ergueu uma sobrancelha, sorriu e fez uma piada.

Mas enquanto o herói de Ian Fleming foi para Eton, a própria formação de Connery foi visivelmente carente de carros velozes, belas mulheres e vodca Martinis.

Origem humilde

Thomas Sean Connery nasceu em Fountainbridge, na região de Edimburgo, no dia 25 de agosto de 1930. Filho de um operário católico e de uma faxineira protestante.

A família do pai dele emigrou da Irlanda no século 19. A mãe traçou sua linha de volta aos falantes de gaélico da Ilha de Skye.

A região estava em decadência há anos. O jovem Tommy Connery foi criado em um cômodo de um cortiço com banheiro compartilhado e sem água quente.

Ele deixou a escola aos 13 anos, sem qualificações, para entregar leite, polir caixões e assentar tijolos como pedreiro, antes de entrar para a Marinha Real britânica. Três anos depois, ele deixou o serviço com úlceras estomacais. Mas com tatuagens nos braços, que proclamavam suas paixões: "Escócia para sempre" e "Mamãe e papai".

Em Edimburgo, ele ganhou a fama de "durão" quando seis integrantes de uma gangue tentaram roubar o casaco dele. Quando ele os impediu, foi seguido. No mano a mano, o futuro Bond venceu.

Ele sobrevivia como podia. Dirigiu caminhões, trabalhou como salva-vidas e posou como modelo no Edinburgh College of Art. Passava o tempo livre fazendo musculação.

Muito bonito para palavras

O artista plástico Richard Demarco, que muitas vezes pintou Connery como estudante, o descreveu como "lindo demais para palavras, um Adônis virtual".

Bom de bola, Connery chamou a atenção de Matt Busby, que lhe ofereceu um contrato de £ 25 (hoje, cerca de R$ 185) por semana para jogar no Manchester United.

Mas, apaixonado pela carreira de ator, enquanto fazia bicos em um teatro local, decidiu que a carreira de jogador de futebol era curta demais e optou por tentar a sorte nos palcos. Foi, disse mais tarde, "um dos meus passos mais inteligentes".

Em 1953, disputou o concurso de Mister Universo em Londres. Foi quando ouviu dizer que havia vagas para o coro do musical South Pacific. No ano seguinte, interpretou o papel do Tenente Buzz Adams, que ficou famoso na Broadway na atuação de Larry Hagman.

O ator americano Robert Henderson incentivou Connery a estudar. Henderson lhe emprestou obras de Ibsen, Shakespeare e Bernard Shaw, e convenceu Connery a fazer aulas de elocução.

Connery fez a primeira de muitas aparições no filme "Lilacs in the Spring", de 1954. Também houve papéis menores na televisão, incluindo um gângster em um episódio do drama policial da BBC "Dixon of Dock Green".

As mulheres vão gostar dele...

Em 1957, ele ganhou o seu primeiro papel principal em "Blood Money", uma versão da BBC de "Réquiem para um lutador", no qual ele interpretava um boxeador cuja carreira estava em declínio.

A fama nos Estados Unidos veio por uma "mãozinha" da lenda de Hollywood Jack Palance, o protagonista da versão original. Palance se recusou a viajar para Londres, e a esposa do diretor sugeriu Sean Connery para o seu lugar.

"As mulheres vão gostar dele", disse ela.

Um ano depois, estrelava ao lado de Lana Turner — parte da realeza de Hollywood — no filme "Vítima de uma Paixão". O namorado dela, o mafioso Johnny Stompanato, reagiu mal aos rumores de um romance.

Jacqueline Hill e Sean Connery em 1957 na produção da BBC, Blood Money
Connery foi elogiado pelo papel no drama da BBC, Blood Money

Um dia, invadiu o set de filmagem e puxou uma arma. Connery a tomou e o dominou, antes que a segurança pudesse entrar no set e tirá-lo de lá.

O nome é Bond…

Foi aí que veio Bond. Os produtores Cubby Broccoli e Harry Saltzman compraram os direitos para filmar os romances de Ian Fleming e estavam procurando um ator para interpretar 007.

Richard Burton, Cary Grant e Rex Harrison foram considerados, até mesmo Lord Lucan e Peter Snow da BBC.

Foi a esposa de Broccoli, Dana, quem convenceu o marido de que Connery possuía magnetismo e química sexual para o papel.

Essa visão não foi compartilhada originalmente pelo criador de Bond, Ian Fleming. "Estou procurando o comandante Bond e não um dublê mais velho", ele insistiu.

Mas Broccoli estava certo e Fleming errado. O autor mudou rapidamente de ideia quando o viu na tela. Ele até escreveu uma história meio escocesa para o personagem em algumas de suas obras posteriores.

Um amigo diretor, Terence Young, colocou Connery sob sua proteção, levando-o a restaurantes e cassinos caros. Ensinando-o a se comportar, para que o escocês se passasse por um agente secreto suave e sofisticado.

Connery fez do personagem seu próprio, misturando crueldade com seu humor sarcástico. Muitos críticos não gostaram e algumas críticas foram contundentes. Mas o público não concordou.

As cenas de ação, sexo e locações exóticas foram uma fórmula do sucesso. O primeiro filme, "Dr. No", arrecadou muito dinheiro nas bilheterias. Mesmo no exterior, foi um enorme sucesso, com o presidente dos Estados Unidos, John Kennedy, solicitando uma sessão privada na Casa Branca.

Mais lançamentos na sequência — "Moscou contra 007" (1963), "007 Contra Goldfinger" (1964), 007 Contra a Chantagem Atômica (1965) e "Com 007 só se Vive Duas Vezes" (1967).

Era cansativo e até perigoso., às vezes Certa vez, ele foi jogado em uma piscina cheia de tubarões com apenas uma tela de vidro flexível como proteção. Quando um dos animais conseguiu passar, Connery conseguiu fugir rapidamente.

Houve outro trabalho, incluindo Alfred Hitchcock, "Marnie e The Hill", um drama sobre uma prisão do Exército Britânico durante a guerra no Norte da África.

Mas, quando "Com 007 só se Vive Duas Vezes" foi concluído, Connery estava cansado de Bond e temia ser rotulado.

Ele recusou "A Serviço Secreto de Sua Majestade", papel dado ao ator australiano George Lazenby, cuja carreira nunca se recuperou.

Saltzman e Broccoli o atraíram de volta para "Os Diamantes são Eternos", em 1971, atendendo à exigência do ator por um contrato recorde de US $ 1,25 milhão (hoje cerca de R$ 7,1 milhões). Connery usou o dinheiro para fundar a Scottish International Education Trust, apoiando as carreiras de artistas escoceses emergentes.

O filme teve críticas mistas, com parte da imprensa reclamando que ele dependia muito do humor, um tema que continuaria e se avançaria com seu sucessor, Roger Moore.

Connery estrelou o papel de Rudyard Kipling, de "O Homem que Queria Ser Rei", ao lado de seu grande amigo Michael Caine, mas a maior parte da década seguinte foi passada em papéis coadjuvantes, como "Os Bandidos do Tempo" ou como parte de um elenco de filmes como "A Bridge Too Longe".

Nunca diga nunca

Depois de perder muito dinheiro em um negócio em terras espanholas, ele aceitou uma oferta tentadora para viver Bond novamente, em "Nunca Mais Outra Vez". Desta vez, 007 era um herói envelhecido. Mais velho, mais sábio e autodepreciativo, mas, em última análise, o durão de sempre.

O título foi sugerido pela esposa de Connery, Diana Cilento, que lembrou o marido que ele havia jurado "nunca mais interpretar Bond".

Ele continuou desempenhando outros papéis, ganhando um Bafta por sua atuação como Guilherme de Baskerville, em "O Nome da Rosa", de Umberto Eco.

Um ano depois, sua atuação como um policial irlandês cansado da vida, apesar do carregado sotaque escocês, em "Os Intocáveis", lhe rendeu um Oscar de Melhor Ator Coadjuvante.

Em "Indiana Jones e a Última Cruzada", ele interpretou o pai de Harrison Ford, embora fosse apenas 12 anos mais velho. E houve um aceno para James Bond, ao lado de Nicholas Cage em "A Rocha", onde viveu um agente secreto britânico preso por décadas.

Foi sucesso de bilheteria em "A Caçada ao Outubro Vermelho", "A Casa da Rússia" e "Armadilha". Embora "Lancelot, o Primeiro Cavaleiro" e "A Liga Extraordinária" não tenham decolado.

E recusou o papel de Gandalf em "O Senhor dos Anéis", em 2006, dizendo estar cansado de atuar e farto dos "idiotas que agora fazem filmes em Hollywood".

Exílio

Ele foi brevemente considerado para o papel de guarda-caça no filme de Bond de 2012, Skyfall, mas o diretor, Sam Mendes, sabiamente percebeu que seria confuso ter um 007 anterior aparecendo com Daniel Craig.

Sean Connery começou uma vida em um cortiço em Edimburgo e terminou com uma mansão na Grécia, compartilhando um heliporto com o rei da Holanda.

Sempre odiando o estilo de vida de Hollywood, preferiu jogar golfe em suas casas na Espanha, Portugal e Caribe, com a segunda esposa, Micheline Roqubrune, uma artista que conheceu no Marrocos.

Sean Connery chegando ao Holyrood Palace, em Edimburgo, com a esposa Micheline
Ele afirmou que permaneceu fiel às raízes escocesas, apesar de viver no exterior

O casamento anterior, com a atriz australiana Diane Cilento, terminou em 1975 em meio a alegações de violência doméstica e infidelidade. Eles tiveram um filho, o ator Jason Connery.

Mesmo no auto-imposto exílio, ele manteve sua paixão pela Escócia, apesar de ter cometido o deslize de virar garoto-propaganda de uma marca japonesa de uísque.

Ele atribuía seu pavio curto e "mau humor" aos genes celtas. "Minha opinião é que para chegar a qualquer lugar na vida você tem que ser anti-social", disse ele uma vez. "Caso contrário, você acabará sendo devorado."

Um título de cavaleiro muito aguardado, lhe foi finalmente concedido em 2000. Alguns atribuem a demora à concessão da honraria à resistência do governo trabalhista, por causa do apoio de Connery à independência escocesa.

Na verdade, seu Bond agora é peça de museu, em parte pela forma completamente datada com que apresenta mulheres. As cenas de ação ainda são emocionantes, mas o sexo muitas vezes beirava o não consensual.

Felizmente, já faz um tempo desde que 007 deu um tapa na bunda de uma mulher e roubou um beijo. Mas a atuação de Connery era adequada ao seu tempo, e foi apreciada por milhões de pessoas de ambos os sexos, fazendo dele um ícone do século 20.

Connery deixa uma obra da qual qualquer ator se orgulharia e, não menos importante, uma vaga para o título de "O maior escocês vivo".

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!