Seca: Exploração de rios voadores e subterrâneos agrava crise anunciada

·7 min de leitura
Maria Roselha reclama da escassez de água na sua fazenda causada pela perfuração de um poço de alta vazão em uma empresa vizinha - Foto: Gustavo Basso/Yahoo Notícias
Maria Roselha reclama da escassez de água na sua fazenda causada pela perfuração de um poço de alta vazão em uma empresa vizinha - Foto: Gustavo Basso/Yahoo Notícias

 

“Em 60 anos vivendo aqui, só parou de minar água quando uma empresa produtora de ração animal furou um poço 1 km acima; e desde então foi secando, até que agora temos esse chorrinho de água que não aguenta nem lavar a louça”. O lamento da pequena produtora rural de Uberlândia Maria Rosélia Rocha, de 52 anos, traz à tona um problema que com a crise hídrica tende a se agravar: a exploração excessiva de aquíferos e lençóis freáticos durante a pior seca já registrada no centro-sul do país.

Com a caixa d’água ainda vazia, já que a recarga feita com a única nascente restante na área onde cria gado, a louça se acumula na cozinha. “Agora, você vê, além dos poços, quiseram distribuir eucaliptos para a população; houve gente plantando perto das nascentes que, claro, secaram”, diz, reclamando da árvore plantada em grandes quantidades para utilização industrial.

Leia também

A região do Triângulo Mineiro, encravado entre Goiás e São Paulo, é o principal celeiro de grãos e produtos agroindustriais de Minas Gerais, e um dos principais do Brasil. O tradicional gado de leite vem sendo substituído na caixa d’água energética do país por lavouras como soja, sorgo, milho, cana-de-açúcar e eucalipto — com constante uso de irrigação, pressionando a já pouca água disponível depois de mais de três meses sem chuva.

Terceira maior hidrelétrica do Sudeste, a usina de São Simão opera com o seu reservatório em 13,55% da capacidade - Foto: Gustavo Basso/Yahoo Notícias
Terceira maior hidrelétrica do Sudeste, a usina de São Simão opera com o seu reservatório em 13,55% da capacidade - Foto: Gustavo Basso/Yahoo Notícias

“Entendo que essa agricultura extensiva é ao mesmo tempo afetada pela seca e causadora dela”, diz o doutor em recursos hídricos e agrometeorologia e professora da UFU (Universidade Federal de Uberlândia). “Com menos chuvas, temos menor recarga dos aquíferos, enquanto é justamente a época que a agricultura depende mais da irrigação, já que o normal é ficar três a quatro meses sem chuva; o resultado é um desequilíbrio dessa reserva do país que acaba muitas vezes indo para o exterior”, comenta.

A retirada da água também acirra conflitos como o da criadora Maria Rosélia. Todas as bacias fluviais locais da região que abriga a maior parte das hidrelétricas nacionais já está comprometida com outorgas de uso de água, o que acaba limitando a retirada. “Quando isso ocorre, qualquer novo pedido de outorga é suspenso e é formado um comitê para delimitar o uso da água desses rios; normalmente cada um poderia usar 50% desta vazão, mas isso já não é possível em bacias como Araguari ou Uberabinha”, conta o doutor em irrigação e recursos hídricos também da UFU Hudson Carvalho. “De uns meses para cá vemos uma explosão na perfuração de poços profundos — conhecidos como poços artesianos — que acabam afetando muito os mananciais, e logo os aquíferos profundos”, comenta.

Apesar da necessidade de outorga para a retirada de água subterrânea, especialistas consideram falhas na fiscalização que poderiam acarretar na superexploração das águas subterrâneas. Hudson alerta também para o plantio de Eucalipto em cabeceiras de rios. “Você tem uma planta otimizada para crescer rápido e muito; e coloca uma ao lado da outra a cada 1,50m; não há como não consumir muita água… nesta concentração, até mesmo pés de manga poderiam exaurir o lençol freático”, afirma.

Tragédia perfeita

Terceira maior hidrelétrica do Sudeste, a usina de São Simão opera com o seu reservatório em 13,55% da capacidade - Foto: Gustavo Basso/Yahoo Notícias
Terceira maior hidrelétrica do Sudeste, a usina de São Simão opera com o seu reservatório em 13,55% da capacidade - Foto: Gustavo Basso/Yahoo Notícias

Apesar do impacto na quantidade de água que infiltra no solo — e assim, acaba se tornando em chuva posteriormente —, a agricultura extensiva está longe de ser a causadora da pior seca já registrada em 91 anos e da maior crise dos reservatórios elétricos do país. Crise esta já mais grave que em 2001, quando na mesma época do ano as represas acumulavam mais água do que este ano.

“É como um acidente de avião”, comenta Michelle Reboita, doutora em meteorologia pela Universidade Federal de Itajubá: “Uma tragédia assim é sempre resultado de muitos fatores, tanto de origem natural como humana".

Ela explica que o atual cenário vivido no país é a continuação de um período mais seco iniciado ainda em 1998 e que vem ora atenuando, ora se agravando. “Quando as águas do Oceano Atlântico aquecem mais ao norte, o resultado é um deslocamento das nuvens de chuva da Amazônia para o Caribe, e este ano isto estava ainda mais forte, apesar das enchentes ocorridas este ano na Amazônia.

A maior floresta do mundo, junto da cordilheira dos Andes, é o que impede o sudeste do Brasil de ser um deserto, semelhante ao deserto da Namíbia, localizado na mesma latitude e irmão geológico do litoral brasileiro. “É como um dominó; as chuvas que caem na Amazônia oriental evapora e é levada para o oeste pelos ventos onde cai na Amazônia oriental, e assim por diante”, explica Atarassi. Os ventos úmidos são barrados somente pela segunda maior cadeia de montanhas do mundo, que empurra essa umidade para o sudeste, formando os chamados “rios voadores”.

Exploração de rios voadores e subterrâneos agravam crise anunciada - Foto: Gustavo Basso/Yahoo Notícias
Exploração de rios voadores e subterrâneos agravam crise anunciada - Foto: Gustavo Basso/Yahoo Notícias

Com o desmatamento, as árvores responsáveis pela transpiração da água acumulada que forma os rios voadores viram pasto. “É necessário um volume grande de retirada da floresta para uma mudança no clima, é difícil cravar esta ação com certeza, mas há uma ligação direta - além de aumentar a temperatura como um todo, pois a floresta funciona como resfriador natural da atmosfera”, afirma Reboita.

De janeiro a maio, os avisos de desmatamento na Amazônia Legal alcançaram área de 2.547,7 km², alta de 25% em relação a igual período do ano passado. Os dados aparecem no sistema de monitoramento Deter, do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

Levantamento do Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia) também indica piora no quadro. Conforme o instituto, uma área de floresta quase do tamanho do município do Rio de Janeiro foi desmatada apenas em maio. O Imazon detectou 1.125 km² de desmatamento no período, maior saldo da série histórica para o mês nos últimos dez anos.

O clima está louco

Além da agricultura extensiva, predomina na região longos campos de cerrado desnatado para formação de pasto, hoje seco - Foto: Gustavo Basso/Yahoo Notícias
Além da agricultura extensiva, predomina na região longos campos de cerrado desnatado para formação de pasto, hoje seco - Foto: Gustavo Basso/Yahoo Notícias

“Rapaz, agora não dá mais para prever nada, nem quando chove, parece que o tempo endoidou”, reclama o agricultor Maciel Campos, do município de Prata. “Antes aqui o frio se concentrava em maio, agora está geando em julho; lá na América do Norte um calor escaldante… realmente não sabemos de nada”, conta, relembrando o fio recorde que vem atingindo nesta semana e duas semanas atrás a região. A produção de milho de meio de ano, conhecido como safrinha, foi perdida em cerca de 80% por causa do gelo acumulado durante a madrugada.

A reportagem do Yahoo vem percorrendo todo este núcleo de secas para entender a dimensão local e nacional do fenômeno, e ouviu produtores afetados por eventos cada vez mais críticos que vêm ocorrendo.

“Com o aquecimento global, há mais energia acumulada na atmosfera; isso não quer dizer que o planeta vai esquentar por igual”, explica o professor Atarassi. “O que acaba ocorrendo é essa energia se transformar em eventos cada vez mais potentes; enquanto na Alemanha estamos vendo estas inundações e no Canadá calor de quase 50ºC, aqui a seca se soma ao já esperado Lá Niña e o frio”.

O La Niña é visto como um dos motivos da crise porque afeta a distribuição de chuvas. No país, esse fenômeno costuma provocar estiagem no Centro-Sul, justamente onde estão os principais reservatórios para geração de energia. O fenômeno é causado pelo resfriamento das águas superficiais do Pacífico Equatorial, que geram uma alteração na circulação de ventos e umidade. Na região Centro-Sul do Brasil, a tendência é de estiagem.

Com o avião em queda, Hudson Carvalho somente espera que quando vierem, as chuvas não venham com a potência aumentada pelos fenômenos “senão, com o desmatamento do cerrado, ela escoa direto para os rios, não infiltra, não recarrega os reservatórios subterrâneos e no próximo inverno estarão ainda mais secos”, diz. Em resumo, o Brasil corre o risco de ver a estiagem perfeita se estender no cenário adiante.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos