Seções eleitorais não sumiram, apenas foram agrupadas pelo TSE

Urnas eletrônicas sendo preparadas para o segundo turno das eleições presidenciais, em Brasília (DF), em 30 de outubro de 2022. Nas redes, usuários insistem em teorias sobre uma suposta fraude eleitoral, afirmando que seções eleitorais teriam sumido (Foto: AFP via Getty Images / Evaristo Sa)
Urnas eletrônicas sendo preparadas para o segundo turno das eleições presidenciais, em Brasília (DF), em 30 de outubro de 2022. Nas redes, usuários insistem em teorias sobre uma suposta fraude eleitoral, afirmando que seções eleitorais teriam sumido (Foto: AFP via Getty Images / Evaristo Sa)
  • Publicações nas redes seguem questionando o resultado das eleições presidenciais e levantam hipóteses de supostas fraudes

  • Um vídeo tem circulado afirmando que votos deixaram de ser contabilizados pois seções eleitorais teriam sumido

  • Mas a informação é falsa. Algumas seções foram apenas agrupadas pelo TSE

Usuários seguem afirmando nas redes sociais que eleições brasileiras teriam sido fraudadas. Um vídeo que circula no Facebook com mais de 250 mil visualizações alega os votos de algumas zonas eleitorais não foram contabilizados pois os locais não aparecem no site do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

A informação, porém, é falsa. Algumas seções eleitorais foram agrupadas e por isso seus números deixaram de aparecer no site. Os eleitores que tinham em seus títulos o número da seção antiga, passaram a votar em um novo local embora o número antigo ainda tenha aparecido em seus comprovantes de votação.

Captura de tela de um vídeo que alega que votos deixaram de ser contabilizados nas eleições de 2022, pois seções eleitorais teriam desaparecido (Fotos: Facebook / Reprodução)
Captura de tela de um vídeo que alega que votos deixaram de ser contabilizados nas eleições de 2022, pois seções eleitorais teriam desaparecido (Fotos: Facebook / Reprodução)

No vídeo viralizado, um homem afirma que o local onde ele e sua esposa votaram não existe no site do TSE. A seção eleitoral em questão é a de número 1537, localizada em Miami, nos Estados Unidos. Ao consultar a lista de seções eleitorais agregadas em 2022, é possível ver que essa seção foi agrupada à de número 1132.

Diversas seções agregadas foram alvo de fake news, mas basta consultar os dados disponibilizados pela Justiça Eleitoral para encontrar quais seções se juntaram a outras:

Made with Flourish
Made with Flourish

A junção de seções eleitorais é normal e está prevista na resolução nº 23.669 de 2021 do TSE. Essa prática é utilizada para simplificar os trabalhos e diminuir custos operacionais.

Há indícios de fraude nas eleições?

É falso que qualquer fraude nas urnas tenha sido comprovada. Ao contrário, instituições que atuaram como observadores nas eleições brasileiras reforçaram a credibilidade do sistema.

Uma delas foi a Uniore (Missão da União Interamericana de Organismos Eleitorais), que não identificou maiores problemas no funcionamento das urnas e considerou a eleição brasileira como exemplar para a América Latina. A Rojae-CPLP (Rede dos Órgãos Jurisdicionais e de Administração Eleitoral da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) também afirmou que a utilização de meios eletrônicos de votação "revelou-se segura, confiável e credível". O observador concluiu que as eleições brasileiras foram "livres, justas e democráticas".

O International IDEA (Instituto para a Democracia e Assistência Eleitoral) elogiou a imparcialidade do TSE e ressaltou a confiabilidade das urnas. A instituição defendeu que a democracia brasileira se fortaleceu com o processo eleitoral e classificou os ataques ao funcionamento das urnas como controvérsias "desnecessárias". O TCU (Tribunal de Contas da União) realizou uma auditoria do sistema eletrônico de votação e não identificou qualquer divergência nas mais de 5 milhões de informações de boletins de urna que analisou.

Esse conteúdo também foram verificados pela Reuters Fact Check.