Secom orienta influenciador digital a "não falar mal do governo"

·2 minuto de leitura
  • Atos em favor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ocorreram em São Paulo e no Rio de Janeiro

  • Sem máscaras, apoiadores do governo federal se aglomeraram na Avenida Paulista e em Copacabana

  • Manifestantes defendem "intervenção militar", manobra considerada inconstitucional

Um guia elaborado pela Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social) do Governo Federal orienta um influenciador digital contratado sobre o que fazer e o que não fazer ao veicular mensagem de uma campanha.

Entre as vedações do guia, publicada pelo portal UOL, está "não falar mal do governo", "não falar de nada partidário ou político" e "não falar nada polêmico", além de "não postar fotos nem vídeos em aglomerações".

Leia também

O documento, intitulado "Guia Influenciador", foi usado como roteiro numa campanha em janeiro deste ano de combate à dengue e outras doenças e se dirigia aos influenciadores "PH Loures, Família Jeito Loko de Ser, Talita Ramos", que receberam R$ 4 mil da Secom para divulgar um vídeo no seu canal no YouTube com orientações à população na campanha contra o mosquito.

O vídeo contratado pela Secom foi divulgado no dia 11 de janeiro no canal da "Família Jeito Loko de Ser" e teve 176 mil visualizações e 27 mil "likes" até o último sábado (15). O canal da família tem 1,93 milhão de inscritos. A coluna tentou contato com os influenciadores, mas não teve sucesso.

Na justificativa para a contratação do influenciador, a Secom explicou que a "Família Jeito Loko de Ser é um perfil de uma família que divide sua rotina com seus seguidores. Com quase dois milhões de inscritos, faz muito sucesso no YouTube com seus vlogs diários".

Outros dois influenciadores digitais foram contratados pela Secom para a campanha de combate ao Aedes aegypti: Dayanne Ribeiro, que tem 749 mil seguidores na sua página "Coisas de Nany" no Instagram, e o atleta Adonias Fonseca, com 281 mil seguidores na mesma rede social.

De acordo com uma planilha de registro de pagamentos, cada um recebeu R$ 3 mil para veicular, em janeiro de 2021, uma mensagem de orientação à população sobre o combate ao mosquito nos seus perfis no Instagram.

No "Guia Influenciador" repassado à "Família Jeito Loko de Ser", há também orientação sobre as atitudes que devem ser tomadas: "Fala Governo Federal e do Ministério da Saúde", "Cita o conceito da campanha: Combater o mosquito é com você, comigo, com todo mundo", "reforçar e marcar nas postagens o site gov.br/combateaedes" e "reforçar e marcar nas postagens a #CombataOMosquito".

Procurada pela reportagem do UOL sobre a orientação de "não falar mal do governo", a Secom respondeu: "A Secretaria Especial de Comunicação informa que ações como essa consistem em uma prática publicitária, adotadas por todas as empresas, chamada de 'brand safety', que tem como objetivo garantir a segurança e proteção da marca anunciante, nesse contexto, o Governo Federal".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos