Secretária alvo de mandado de busca e apreensão em Nova Iguaçu pede exoneração

·1 minuto de leitura

RIO - A secretária de Infraestutura de Nova Iguaçu, Cleide de Oliveira Moreira, foi exonerada, a pedido, nesta quinta-feira, 26. Cleide Moreira foi alvo de um mandado de busca e apreensão em uma operação da Polícia Civil, na última terça-feira, contra o braço político da milícia de Austin. Ela é investigada junto com outras doze pessoas por organização criminosa, crimes contra licitação e peculato.

A operação da Delegacia de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro tinha como objetivo cumprir 21 mandados de busca e apreensão nas sedes das Secretarias de Economia, Planejamento e Finanças e de Infraestrutura do município, e também no gabinete do vereador Jeferson Ramos (MDB) e em endereços ligados ao empresário Fabio Henrique Sousa Barboza, dono da FABMIX, empresa que soma mais de 70 milhões em contratos com a prefeitura de Nova Iguaçu.

Segundo o delegado titular da Delegacia de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro, Thales Nogueira Braga, a investigação começou com indícios de contratos direcionados para favorecer obras em áreas dominadas pela milícia e por falta de transparência nos processos licitatórios.

A prefeitura de Nova Iguaçu criou uma Comissão de Intervenção na Secretaria Municipal de Infraestrutura que assumirá a titularidade da pasta com o objetivo de analisar os atos da secretária e comunicar aos órgãos competentes indícios de irregularidade. A Comissão é composta por três servidores: Fernando Dias Lima Ortiz do Rego Barros, Francisco Saint Clair de Sousa Neto e Murilo Diniz Moreira. As decisões foram publicadas no Diário Oficial desta quinta-feira.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos