Secretário de Estado americano chama coronavírus de 'vírus Wuhan', com risco de irritar chineses

(5 mar) O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, participa de entrevista coletiva no Departamento de Estado, em Washington

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, chamou a nova epidemia de COVID-19 de "vírus Wuhan", podendo provocar irritação nos chineses. Nesta quinta-feira, o chefe da diplomacia americana falou pela primeira vez sobre o vírus, mencionando a cidade chinesa onde o mesmo surgiu.

Nesta sexta, no entanto, ele continuou a usar a expressão "vírus Wuhan" várias vezes durante entrevistas.

"O Partido Comunista chinês foi o primeiro a explicar que é onde começou o vírus", disse à Fox News.

"Não é Mike Pompeo que fala isso", acrescentou à CNBC.

Quando lhe foi perguntando nesta semana sobre os veículos ou as pessoas que falam do "vírus Wuhan" ou "vírus chinês", um porta-voz da diplomacia chinesa reclamou, classificando a expressão como "altamente irresponsável".

"Somos firmemente opostos à ela (a expressão)", disse.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China afirmou que não se chegou a uma conclusão definitiva sobre a origem do vírus, chamada oficialmente de SARS-CoV-2.

"Deveríamos nos concentrarmos nas formas de contê-lo e não em usar palavras que estigmatizem certos lugares", acrescentou.

Segundo o porta-voz, essas iniciativas apontam para que "a China assuma a responsabilidade" pela epidemia, quando se trata de "um desafio mundial".