Secretário de Estado diz que EUA fizeram "proposta substancial" à Rússia para repatriar americanos detidos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, durante reunião de chanceleres do G20 em Bali, na Indonésia
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Simon Lewis e Humeyra Pamuk

WASHINGTON (Reuters) - Os Estados Unidos fizeram uma "proposta substancial" a Moscou para trazer para casa cidadãos norte-americanos detidos na Rússia, afirmou o secretário de Estado do EUA, Antony Blinken, nesta quarta-feira, acrescentando que irá pressionar seu equivalente russo em uma conversa planejada para os próximos dias para que ele responda à oferta.

Falando em uma entrevista coletiva no Departamento de Estado dos EUA, Blinken disse que Washington ofereceu a Moscou um acordo para trazer de volta a jogadora de basquete Brittney Grimer e o ex-fuzileiro naval Paul Whelan há algumas semanas, e que espera que o processo avance ao conversar com o chanceler russo, Sergei Lavrov.

"Havia uma proposta substancial na mesa há algumas semanas para facilitar a liberação deles. Nossos governos se comunicaram repetidamente e diretamente sobre a proposta. E eu irei usar a conversa para acompanhar pessoalmente, e espero que possamos avançar juntos rumo a uma solução", disse Blinken.

O secretário se recusou a dizer o que os Estados Unidos estão oferecendo em troca. A emissora CNN disse que os EUA estão dispostos a trocar o vendedor russo de armamentos Viktor Bout, que cumpre pena de prisão nos EUA, como parte do acordo para garantir a soltura dos dois norte-americanos.

A proposta acontece em meio a uma pressão crescente sobre o presidente Joe Biden por parte das famílias de reféns e detidos, mais recentemente por conta do caso da bicampeã olímpica Griner, que está presa na Rússia desde fevereiro e está sendo julgada por acusações relacionadas a drogas.

Whelan foi condenado a 16 anos de prisão na Rússia em 2020, acusado de espionagem. Ele nega ser um espião, e disse que foi vítima de uma armação em uma operação enganosa. Washington exige sua libertação.

(Reportagem de Simon Lewis e Humeyra Pamuk)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos