Secretário de Previdência admite falha do governo na defesa do programa Verde Amarelo

Geralda Doca
Carteira de trabalho: governo aposta em novos empregos.

BRASILIA - O secretário Especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, afirmou que o governo esta perdendo a batalha da comunicação em relação ao pacote de medidas de estímulo ao emprego, enviado ao Congresso.

Segundo Marinho, o pacote Verde Amarelo, destinado à contratação de jovens, que será financiado com taxação do seguro desemprego, visa à inclusão previdenciária. Os segurados vão poder contar o tempo em que estão recebendo o auxílio para se aposentar.

- Eu admito que não estamos fazendo uma comunicação eficiente porque não é taxação. É inclusao previdenciária - disse o secretário ao chegar à audiência na Comissão do Trabalho da Câmara dos Deputados para discutir a medida provisória (MP)905 que cria o programa Verde Amarelo.

Em novembro, Marinho disse que o governo está aberto a discutir com o Congresso outras formas de financiar programa de emprego.

A MP não foi bem recebida pelo Congresso, sobretudo a taxação do seguro desemprego. Outro item do pacote, o projeto que busca incluir pessoas com deficiência no mercado de trabalho, também foi muito criticado, o que obrigou o governo a retirar a urgência na tramitação da proposta.

Marinho disse que o principal objetivo do projeto é cumprir a lei de cotas na contratação de pessoas com deficiência pelas empresas. Ele também disse que o governo falhou na comunicação:

- A questão da narrativa é uma coisa muito complicada. Na hora em que você vai explicando, as pessoas vão entendendo.

Marinho destacou que o governo não pretende retirar o projeto do Congresso. Mas admitiu que existem pontos da proposta que precisam ser aperfeiçoados.

O programa Verde Amarelo começou a ser discutido oficialmente no Congresso nesta quarta-feira. A comissão mista do Congresso que vai analisar a MP 905 será instalada na tarde desta quarta-feira.