Secretários de educação e saúde pedem parecer a comitê sobre aulas presenciais

André Coelho
·2 minuto de leitura
BETH SANTOS / .

RIO — Os secretários municipais de Educação, Renan Ferreirinha, e de Saúde, Daniel Soranz, farão uma consulta formal aos especialistas do novo Comitê Especial de Enfrentamento da Covid-19 para definir o retorno às aulas presenciais na rede municipal do Rio. As escolas chegaram a abrir para os alunos do 9º ano do ensino fundamental em novembro do ano passado, mas as atividades foram suspensas com a alta de casos da doença em dezembro. Agora, a prefeitura quer estabelecer um protocolo para o retorno em toda a rede.

— Tem muitas instituições nacionais e internacionais que recomendam fortemente a abertura das escolas, entre elas o Unicef e um grupo da Sociedade Brasileira de Pediatria. Essa não é uma decisão que alguém vá tomar sozinho. A escola é um equipamento de proteção social importante — afirmou Soranz.

Segundo Renan Ferreirinha, a pasta vai dialogar com professores, alunos e pais, e já encomendou um levantamento sobre as condições de infraestrutura das 1.543 escolas da rede. Ele afirma que a retomada não representa um menosprezo da pandemia. Mas, de acordo com o secretário, não se pode deixar de levar em conta o prejuízo ao aprendizado, à saúde mental e até à alimentação dos alunos com as escolas fechadas por tanto tempo no Rio:

— Essa decisão quanto ao retorno, respeitando a ciência, a priorização do ensino, é uma coisa que tanto eu quanto o secretário Soranz e o prefeito Eduardo Paes estamos muito alinhados.

Ferreirinha afirma que o protocolo de retorno levará em consideração a posição dos especialistas e a situação das escolas e dos profissionais integrantes de grupos de risco.

Em novembro, quando a prefeitura autorizou uma retomada das atividades, suspensa um mês depois, o Sindicato dos Profissionais da Educação (Sepe) iniciou uma greve. Na ocasião, a entidade afirmava que faltava estrutura mínima para garantir a segurança sanitária nas escolas e que não houve diálogo nem transparência na decisão.