Secretaria de Comunicação do governo Bolsonaro diz que integrante da equipe de Lula ‘inviabiliza’ reuniões de transição

A Secretaria Especial de Comunicação Social do Governo Federal (Secom) afirmou nesta terça-feira que não vai escalar representantes para se reunir com a equipe de transição responsável pela área de comunicação do governo eleito. Em nota oficial, justificou que postagens " inverídicas, distorcidas e desrespeitosas" de um dos membros do futuro governo inviabiliza eventuais conversas. A pasta afirmou ainda que continuará prestando informações "oficialmente solicitadas".

Veja também: Parecer técnico do TRE-PR sugere desaprovação das contas de campanha de Moro ao Senado

Leia: Moraes manda PL apresentar relatório sobre 1º turno após sigla contestar resultado do 2º turno

O texto da nota não informa a qual integrante da transição a Secom estava se referindo. O deputado federal André Janones (Avante), entretanto, publicou no Twitter que se referia a ele. Na rede social, o parlamentar chama os integrantes do órgão de "quadrilha da Secom" e afirma que o grupo está insatisfeito porque ele estaria " tornando público o que eles roubaram".

Em seu comunicado oficial, a Secom sustenta que um dos integrantes do governo provisório desrespeita as normas que regulam o processo de transição, em que deve haver colaboração entre as partes.

"O respeito mútuo e a cordialidade são, sem dúvida, partes integrantes e imprescindíveis de qualquer processo que pretenda ser colaborativo. As recentes postagens, inverídicas, distorcidas e desrespeitosas, publicadas por um dos integrantes do Grupo de Trabalho relacionado à comunicação social na transição de governo, demonstram e materializam a não observância dolosa do princípio de colaboração por parte desse integrante, o que, praticamente, inviabiliza a realização de reuniões com o Grupo Temático", diz o comunicado.

Em sua página no Twitter, Janones rebateu a medida:

"URGENTE! Quadrilha da SECOM falta na reunião da transição e avisa que não vai participar de mais nenhuma com a minha presença. Tudo porque estou tornando público o que eles roubaram. Vamos acionar a justiça pra que forneçam as informações debaixo de vara, conforme manda a lei!" , disse o deputado, afirmando ainda que denunciou contratos do órgão com a Paraná Pesquisas e continuaria divulgando informações.

Mais tarde, Janones voltou a criticar a decisão tomada pela Secom e subiu ainda mais o tom.

"SECOM acaba de soltar nota na conta do @govbr, pedindo cordialidade pra que voltem a fornecer dados pra transição! 1ª Não sou cordial com bandido! 2º Vocês vão fornecer informações por bem ou por mal, pois a lei obriga! 3º Colocaremos TODOS vocês na cadeia! Grande dia", disse.