Secretária de Educação Básica do Ministério da Educação pede demissão

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Ministro da Educação e Jair Bolsonaro
Ministro da Educação e Jair Bolsonaro
  • Secretária de Educação Básica, Izabel Lima Pessoa, pediu demissão do cargo considerado um dos mais importantes da pasta

  • Izabel Pessoa, que era um dos poucos nomes do MEC de Jair Bolsonaro (sem partido) que tinha boas relalões com especialistas da área, alegou problemas pessoais

  • Nesta segunda-feira (29), ao menos três nomes do governo Bolsonaro pediram demissão; dois ministros

A secretária de Educação Básica do Ministério da Educação (MEC), Izabel Lima Pessoa, pediu demissão do cargo, nesta segunda-feira (29), considerado um dos mais importantes da pasta.

De acordo com o Estadão, ela era um dos poucos nomes do MEC sob gestão do governo Jair Bolsonaro (sem partido) que tinha boas relações com especialistas da área.

Leia também:

Só nesta segunda-feira (29), três nomes importantes do governo Bolsonaro pediram demissão. Além de Izabel, os ministros Ernesto Araújo, das Relações Exteriores, e o ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva deixaram o governo.

Embora a demissão ainda não tenha sido confirmada oficialmente pelo MEC, fontes garantiram ao jornal O Estado de S. Paulo que ela deixará o governo. Segundo o jornal, Izabel Pessoa perdeu o marido há cerca de 15 dias, vítima da Covid-19. Ela teria dito a amigos que estaria sem condições emocionais para continuar na secretaria.

Izabel Pessoa é considerada um quadro técnico de peso na equipe do MEC, que servia como um contrapeso à condução ideológica na pasta. Ela é servidora da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), fundação vinculada ao MEC, com experiência em projetos de formação de professores da educação básica.

Secretaria é uma das mais importantes do MEC

A Secretaria de Educação Básica, ocupada até então por ela, é considerada uma das mais importantes do MEC, responsável pelas diretrizes dos alunos da etapa, que somam mais de 40 milhões, e professores, que são em torno de 2,2 milhões.

Izabel Pessoa entrou no lugar da ex-secretária Ilona Becskeházy, que havia sido levada ao MEC pelo ex-ministro Abraham Weintraub. Após a saída dele, em junho do ano passado, o posto foi substituído, com a chegada de Izabel Pessoa.

Sua indicação foi comemorada à época como um avanço no sentido de o ministério formar quadros técnicos, com experiência em gestão na educação.

Diferente da sua antecesseora, lona Becskehazy, Izabel não tinha ligações com a ala ideológica bolsonarista do governo.

Desafio para o governo Bolsonaro

O desafio para o ministro da Educação, Milton Ribeiro, será encontrar novo nome em um momento delicado do governo devido à pandemia do coronavírus e as escolas fechadas por todo país.

Além disso, Izabel Pessoa deixa o governo em um momento em que o ministério tenta implementar medidas polêmicas, ligadas justamente à educação básica.