De secretária sem espaço à "Capitã Cloroquina", Mayra Pinheiro chega à CPI como porta-voz do tratamento precoce

·5 minuto de leitura
Mayra Pinheiro
Mayra Pinheiro

A primeira imagem famosa de Mayra Pinheiro, atual secretária de gestão do trabalho do Ministério da Saúde, é uma foto de 2013 em que aparece vaiando médicos cubanos que chegavam ao Brasil para o programa Mais Médicos, mas quando chegar à CPI da Covid nesta terça-feira para depor, é com o apelido de "Capitã Cloroquina" que a pediatra cearense precisa se preocupar. 

Mayra é, junto com o secretário de saúde indígena do ministério, Robson Santos, um dos únicos nomes de segundo escalão remanescentes da equipe de Henrique Mandetta. Apesar de ter sido nomeada pelo ex-ministro —hoje um adversário estridente do presidente Jair Bolsonaro—, a secretária não foi escolhida por ele e nunca teve espaço significativa em sua equipe. 

Leia também

Fontes que conviveram com Mayra no ministério disseram que a indicação da pediatra pode ser traçada a grupos de médicos bolsonaristas que apoiaram o governo na eleição, mas ninguém sabe apontar um padrinho exato. 

Depois de ser fotografada gritando aos médicos cubanos que voltassem "para a senzala", em 2013, a pediatra neonatologista presidiu o sindicato dos médicos do Ceará e entrou para a política. Em 2014, filiada ao PSDB, foi candidata à Câmara dos Deputados. Em 2018, tentou o Senado e ficou em 4º lugar, com 11,3% dos votos. Em 2020, filiou-se ao partido Novo. 

Enquanto Mandetta era ministro, Mayra tinha pouco espaço no ministério. A interlocutores, o ex-ministro dizia que a médica cumpria a cota bolsonarista, mas em uma equipe de gestores de saúde experientes, não tinha espaço. Perdeu até mesmo a reformulação do programa Mais Médicos, que foi transferido para a Secretaria de Assistência à Saúde. 

Durante a gestão Mandetta, Mayra era pouco ouvida e pouco conhecida. Colegas recordam uma médica educada e tranquila, sem grandes ideias e também sem grandes conflitos, mas em quem o então ministro não confiava. 

Pouco antes de ir ao Planalto para ser demitido, Mandetta reuniu seus secretários e auxiliares de confiança para avisá-los que deixaria o cargo. Mayra não estava entre eles. A secretária também não estava na despedida pública do ex-ministro. 

Sai Mandetta, entra em cena a "Capitã Cloroquina"

Foi depois da saída de Mandetta que surgiu a persona "Capitã Cloroquina". "Isso começou depois. Ela era mais comedida na gestão do Mandetta e Teich (Nelson)", disse uma fonte. 

Brazil's Minister of Health Luiz Henrique Mandetta gestures during a news conference, amid the coronavirus disease (COVID-19) outbreak in Brasilia, Brazil April 14, 2020. REUTERS/Adriano Machado
Brazil's Minister of Health Luiz Henrique Mandetta gestures during a news conference, amid the coronavirus disease (COVID-19) outbreak in Brasilia, Brazil April 14, 2020. REUTERS/Adriano Machado

Em uma equipe chefiada por Pazuello, em que profissionais médicos eram escassos, Mayra ganhou relevância. Defensora do tratamento precoce desde o início, quando o presidente Jair Bolsonaro invocou as supostas vantagens do uso da cloroquina contra a Covid-19, a secretária ganhou espaço, passou a frequentar entrevistas e virou a porta-voz do tema pelo ministério, mesmo que sua secretarias não tenha qualquer relação com o tema. 

Mayra ganhou mais notoriedade —não exatamente positiva— quando explodiu a crise em Manaus. Mayra coordenou a visita de um grupo de médicos à cidade para insistir na necessidade de uso da cloroquina. 

Em um ofício para a Secretaria de Saúde de Manaus, Mayra pede autorização para visitar Unidades Básicas de Saúde para falar do "tratamento precoce" e chega a dizer que seria "inadmissível" que o Estado não estivesse investindo no método, apesar de estudos científicos já terem demonstrado que os medicamentos não funcionam. 

Em suas redes sociais, sobram referências de Mayra ao tratamento precoce - -pesar de terem rareado nas últimas semanas, à medida que seu depoimento na CPI se aproxima. Em sua fala, Mayra terá que convencer os senadores da validade do uso da cloroquina, mesmo depois do consenso internacional sobre sua ineficácia contra a Covid-19. 

Ardoroso defensor do medicamento para uso contra a Covid-19, Bolsonaro continua fazendo propaganda. Em sua live semanal, na última quinta-feira, disse que tomou o remédio há pouco tempo novamente quando não se sentiu bem, antes mesmo de falar com um médico. 

Lewandowski, do STF, concede habeas corpus permitindo o silêncio na CPI

No dia 21, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou que Mayra fique em silêncio ao ser questionada sobre a atuação dela em Manaus durante a CPI da Covid-19 no Senado. 

O ministro atendeu a um pedido de reconsideração apresentado pela defesa de Pinheiro sobre a decisão dada por ele que negou a ela o direito de permanecer em silêncio durante a oitiva no Senado — por entender que ela não era alvo de investigação, e havia sido chamada à CPI na condição de testemunha.

A defesa da secretária, contudo, afirmou a Lewandowski que ela, assim como o general Eduardo Pazuello, responde a ação de improbidade administrativa apresentada pelo Ministério Público Federal no Amazonas. O processo apura as ações e omissões dos governos federal e estadual no colapso do sistema de saúde em Manaus.

Na decisão desta sexta, o ministro do STF afirmou que "diante das alegações e dos documentos agora apresentados, esclareço que assiste à paciente o direito de permanecer em silêncio – se assim lhe aprouver –quanto aos fatos ocorridos no período compreendido entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021, objeto da Ação de Improbidade Administrativa acima mencionada".

Sobre os outros fatos que eventualmente possam ser alvo de questionamentos pelos senadores, a situação de Mayra Pinheiro permanece a mesma determinada por Lewandowski na decisão da última terça-feira. 

De acordo com o ministro, ela deve "quanto ao mais, pronunciar-se sem reservas, especialmente acerca de sua atuação na Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde, vinculada ao Ministério da Saúde, bem assim sobre as demais questões que vierem a ser formuladas pelos parlamentares".

da Reuters, por Lisandra Paraguassu