Secretário de Cultura de SP diz que recebeu “carta de alforria” para participar de posse de servidora negra

·2 minuto de leitura
Brazilian new Culture Minister Sergio Sa Leitao delivers a speech during his inauguration ceremony at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil, on July 25, 2017. / AFP PHOTO / EVARISTO SA        (Photo credit should read EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Sérgio Sá Leitão é secretário estadual de Cultura de São Paulo (Foto: Evaristo Sá/AFP via Getty Images)
  • Sérgio Sá Leitão, secretário estadual de Cultura de SP, disse que recebeu "carta de alforria" de Doria para comparecer à possa de Aline Torres, nova secretária municipal de Cultura da capital

  • Aline Torres é gestora cultura, negra e ligara aos movimentos negro e feminista

  • Sá Leitão negou que comentário tenha gerado mal estar e pediu desculpas aos que se sentiram ofendidos

O secretário estadual de Cultura de São Paulo, Sérgio Sá Leitão, afirmou que recebeu uma “carta de alforria temporária” do governador João Doria (PSDB) para representar o tucano na posse de Aline Torres, nova secretária de Cultura da capital paulista, uma mulher negra.

A fala aconteceu durante o evento de possa de Aline Torres, na noite de segunda-feira (30). “Trago aqui uma palavra do governador João Doria, nós estamos neste momento na reunião de secretariado, da equipe de secretários do governo, e eu consegui essa carta de alforria temporária, mas vou ter que voltar para lá. Mas ele pediu que eu o representasse aqui nesse momento tão importante e trouxesse uma palavra dele”, disse.

Leia também:

A carta de alforria era o documento dado aos escravos brasileiros, concedendo-lhes liberdade.

Aline Torres substitui Alê Youssef, que deixou o posto na semana passada. Ela é gestora cultural e ligada aos movimentos negro e feminista. Sá Leitão elogiou o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), pela escolha.

“Primeiro, de elogio a você, Ricardo, pela decisão de convidar a Aline para exercer essa função. Como destacaram a Rute [Costa, vereadora] e o Baleia [Rossi, presidente do MDB], por ser mulher, por ser negra, e também por conhecer profundamente o assunto”, disse o secretário estadual de Cultura.

A Folha de S. Paulo questionou Sérgio Sá Leitão sobre a fala. O secretário negou que tenha havido constrangimento e alegou que quem estava presente entendeu o discurso. Ele ainda pediu desculpas caso alguém tenha se sentido ofendido.

“Em primeiro lugar, não houve qualquer constrangimento durante minha fala na posse da nova secretária de Cultura do município de São Paulo, Aline Torres. Todos os presentes entenderam meu discurso e o contexto no qual ele estava inserido. De qualquer forma, se alguém se sentiu ofendido, peço desculpas, pois não tive a menor intenção de causar qualquer mal-estar e muito menos ofender alguém”, disse em nota.

“Ao contrário, minha trajetória como gestor é pontuada por iniciativas que reforçam o respeito pelas diferenças e a luta pela igualdade. Como ministro, por exemplo, promovi a recuperação total e a reabertura ao público do Parque Memorial Quilombo dos Palmares, em Alagoas. Fui o único a visitá-lo, inclusive, ao lado do também ex-ministro da Cultura Gilberto Gil”, afirmou Sérgio Sá Leitão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos