Secretário de Saúde é afastado por vacinar a mulher e pede desculpas a Deus

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura
O secretário municipal de Saúde de Pires do Rio (GO), Assis Silva Filho, ao lado da mulher

O secretário municipal de Saúde de Pires do Rio (GO), Assis Silva Filho, pediu desculpas “a Deus, à igreja” e aos habitantes da cidade por ter furado a fila da vacinação para imunizar a própria mulher contra o novo coronavírus. O pastor evangélico foi afastado do cargo durante 60 dias, por decisão da Justiça.

“Quero pedir perdão para Deus, pedir perdão para a igreja, pedir desculpas aos que confiaram um projeto e colocaram na minha mão. Eu quero pedir desculpas a toda a população do município de Pires do Rio, todos, indistintamente”, declarou o secretário afastado durante live em seu Facebook.

Leia também

Em companhia da mulher vacinada, o pastor disse que cometeu um “vacilo” e citou personagens da Bíblia que também erraram, como Davi, Moisés e os apóstolos Paulo, Pedro e João.

O juiz José dos Reis Pinheiro Lemes acolheu medida cautelar do Ministério Público de Goiás (MP-GO) para determinar o afastamento do cargo do secretário municipal de Saúde. Ele quebrou da ordem da vacinação contra a Covid-19 para beneficiar a própria companheira, que não se encaixava no grupo prioritário.

Segundo apurou o MP-GO, inicialmente estariam recebendo a vacina em Pires do Rio apenas profissionais da saúde, pessoas idosas residentes em instituições de longa permanência, pessoas a partir de 18 anos com deficiência, moradores em residências inclusivas e a população indígena.

O secretário, entretanto, determinou a vacinação de sua mulher e justificou o ato nas redes sociais dizendo que o fez para “preservar a vida e a saúde da mulher da minha vida”.

Segundo o promotor de Justiça Marcelo Borges Amaral, autor da medida cautelar, o ato constitui, supostamente, crimes de abuso de autoridade e prevaricação, uma vez que o secretário confessou que se utilizou do cargo movido por sentimentos pessoais.

O afastamento teve por objetivo impedir que o Assis Silva Filho prejudique as investigações e continue se utilizando do cargo para privilegiar pessoas indevidamente no processo de vacinação da Covid-19. As investigações prosseguirão durante a suspensão do secretário. Também foi instaurado procedimento para apurar possível prática de ato de improbidade administrativa.

O município de Pires do Rio, região sudeste de Goiás, recebeu 280 doses para imunizar os grupos prioritários. A prefeitura de Pires do Rio informou que sobre o caso do secretário que providências já estão sendo tomadas e que a apuração dos fatos já está sendo realizada.

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo.