'Segunda casa' do Flamengo, Mané Garrincha e torcida em Brasília são trunfo para Supercopa do Brasil

Marcello Neves
1 / 2

85212697_Clube de Regatas do Flamengo Flamengo X Fortaleza - Brasileirão - 16-10-2019 Foto Alex.jpg

Campeonato Brasileiro 2019 - Fortaleza X Flamengo

A Confederação Brasileira de Futebol pode classificar o Estádio Mané Garrincha como campo neutro na Supercopa do Brasil, mas a realidade será diferente. O rubro-negro que coincide com os clubes finalistas prevalece no lado carioca de Brasília. Nenhum estádio fora do Rio de Janeiro recebeu tantos jogos do Flamengo nesta década e a torcida na capital federal o transformou em um "segundo Maracanã".

O Flamengo é o maior inquilino do Mané Garrincha desde a sua reinauguração. Desde 2011, foram 27 jogos como mandante ou visitante e apenas três derrotas — para o Grêmio, em 2013, Coritiba, em 2015 e Palmeiras, em 2016. Some 11 vitórias e 13 empates às contas e uma atmosfera que foi elogiada pelo técnico Jorge Jesus e pelo meia Everton Ribeiro para entender porque o Flamengo jogará "em casa" no próximo dia 16.

— Quero dar parabéns a torcida do Flamengo. Hoje nos sentimos como se estivéssemos no Maracanã. Isso é um sinal muito bom para a equipe, sinal de que a torcida está com a equipe, de que acredita na equipe. Não teve diferença nenhuma do apoio, do ambiente — destacou Jorge Jesus.

— É um lugar que tem muito flamenguista. Sempre que venho para cá a atmosfera é muito boa. Temos histórico vencedor aqui também. Que domingo possa continuar isso, e a torcida possa comparecer, fazer uma grande festa — elogiou Everton Ribeiro.

Mas por que o Mané Garrincha é tão querido? Um dos motivos é que Brasília lidera o ranking de sócios-torcedores do Flamengo que moram longe do Rio de Janeiro. Além disso, tem a melhor média de público entre capitais com excesso da Cidade Maravilhosa. Em 2019, o Flamengo atuou três vezes no estádio e nunca jogou para menos de 50 mil torcedores.

A iniciativa do Flamengo de se aproximar de Brasília começou em 2013 e foi decidida após a interdição do Nilton Santos e a demora em chegar a um acordo com o Consórcio Maracanã S/A. A ideia foi montar uma caravana pelo Brasil, o que estimulou outras equipes a seguirem o mesmo roteiro. Os frutos são colhidos até hoje.

Para a partida deste domingo, cerca de 40 mil ingressos foram vendidos antecipadamente.