Segunda Divisão pode virar 'galáctica' com até seis campeões brasileiros

Bruno Marinho
·2 minuto de leitura

Em toda história do Brasileirão, 17 times diferentes já foram campeões. Até seis deles poderão estar fora da competição em 2021, relegados à Série B e, por outro lado, elevando o patamar da competição de acesso. Se confirmado este número, será o recorde da história, sinal dos tempos de um futebol brasileiro em transformação.

Cruzeiro e Guarani já possuem a companhia confirmada do Botafogo, lanterna da Série A. É certo também que ao menos mais um campeão brasileiro (entre Coritiba, Vasco, Bahia e Sport) será rebaixado, fazendo com que a edição de 2021 da Série B iguale o número de campeões das competições de 2005 (Grêmio, Bahia, Sport e Guarani) e 2006 (Atlético-MG, Guarani, Coritiba e Sport) e seja a edição mais “pesada” em termos de títulos dos últimos dez anos.

Dentre os campeões, quem está mais ameaçado é o Coritiba, com 99% de risco de queda e dependendo quase de um milagre.

Existe ainda a possibilidade de todos os quatro rebaixados neste ano serem antigos campeões brasileiros.

Atualmente o Vasco é o primeiro time no Z4. O Bahia é o primeiro fora. Se os dois forem ultrapassados pelo Goiás, que tem quatro pontos a menos mas está em ascensão, seriam seis campeões brasileiros na Série B em 2021.

A presença de tantos clubes com títulos nacionais no currículo na Série B deverá elevar o nível de uma competição que há muito tempo já deixou de ser uma temporada “tranquila” para os grandes que eram rebaixados — o Cruzeiro que o diga, com toda a dificuldade que enfrentou na edição de 2020.

Para evitar seu quarto rebaixamento, o Vasco tenta juntar os cacos da derrota para o Fortaleza, na quarta-feira. A diretoria se reuniu ontem e terá novo encontro hoje de manhã para tentar encontrar medidas que possam ajudar os jogadores e o técnico Vanderlei Luxemburgo nos três jogos que restam, contra Internacional, Corinthians e Goiás. Não está descartada a oferta de um bônus ao elenco.

Já o Botafogo, que apenas cumpre tabela, negociou ontem Pedro Raul com o Kashiwa Reysol, do Japão, por US$ 2 milhões (R$ 10,7 milhões). Com a venda, o alvinegro evita ter que pagar uma cláusula de 1,5 milhão de euros (R$ 9,8 milhões) prevista em contrato que obrigava o clube a adquirir 70% dos direitos do atleta. Os outros 30% são do Vitória de Guimarães (POR).